Publicado 10 de Agosto de 2018 - 21h30

Por AFP

Duas ex-executivas da Nike apresentaram um processo nos Estados Unidos contra a empresa por discriminação, alegando que haviam sido "desvalorizadas e denegridas" ao receber salários inferiores aos de seus colegas homens. Sara Johnston e Kelly Cahill afirmam em sua ação, apresentada na quinta-feira, que o ambiente de trabalho na companhia era hostil para as mulheres. "Na Nike, os números contam a história de uma empresa onde as mulheres são desvalorizadas e denegridas. Para muitas mulheres na Nike, a hierarquia da companhia é uma pirâmide impossível de escalar", acusam as ex-executivas. "Os árbitros desta política ou destas práticas são um pequeno grupo de diretores de alto escalão que são, em sua maioria, homens". E acrescentam: "A Nike julga as mulheres mais severamente que aos homens, o que significa salários mais baixos, bônus menores e poucas opções sobre ações". A Nike não respondeu imediatamente a um pedido de comentários da AFP. A ação foi apresentada em um tribunal do Oregon, o estado do oeste do país onde a marca tem sua sede principal. A ação judicial chega três meses depois de um êxodo sem precedentes de diretores, incluindo o número 2 da empresa, em consequência de testemunhos de funcionários, em sua maioria mulheres, denunciando um ambiente "tóxico", marcado pela discriminação, o assédio e o abuso sexual. A Nike dispõe de um regulamento contra o assédio. Trevor Edwards, presidente da marca Nike e considerado o sucessor do diretor executivo, Mark Parker, tinha a reputação, por exemplo, de humilhar seus subordinados nas reuniões públicas, segundo uma série de testemunhos. As demandantes pedem a outros funcionários que se unam a sua ação para estabelecer um processo coletivo. Elas pedem uma indenização por danos cujo montante não é especificado e o reembolso de seus gastos com advogados.lo/jum/leo/ll/tm/dbNIKE

Escrito por:

AFP