Publicado 14 de Agosto de 2018 - 12h12

Por Maria Teresa Costa

A região de Campinas pediu nesta manhã a liberação de mais 1,5 metros cúbicos de água por segundo (m3/s) do Sistema Cantareira

CEDOC/RAC

A região de Campinas pediu nesta manhã a liberação de mais 1,5 metros cúbicos de água por segundo (m3/s) do Sistema Cantareira

A região de Campinas pediu nesta manhã a liberação de mais 1,5 metros cúbicos de água por segundo (m³/s) do Sistema Cantareira, para conter a inexplicável queda da vazão do Rio Atibaia, que vem ocorrendo nos últimos dez dias. Hoje estão passando pelo posto de monitoramento em Valinhos 8,2 m³/s, suficiente para garantir o abastecimento. Jundiaí deve suspender por 48 horas a reversão de 1,5 m³/s de água do Rio Atibaia para o Rio Jundiai Mirim, responsável pelo abastecimento da cidade, para ajudar no aumento da vazão do rio em Campinas.

O aumento da descarga de água das represas Atibainha e Cachoeira no Rio Atibaia começará amanhã cedo. No final de semana, a Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico dos Comitês das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiai (PCJ) havia conseguido mais 3 m³/s, mas essa água só deve chegar a Campinas na quinta-feira.

O coordenador da câmara técnica, Alexandre Vilella, disse que a suspensão da reversão de 1,5 m³/s de água do Atibaia para o Jundiaí Mirim está sendo negociada com o Departamento de Água e Esgoto (DAE) de Jundiaí e a interrupção deverá amenizar a situação. Além disso, está acionando a CPFL para a interrupção de produção de energia na usina Salto Grande, na divisa de Campinas e Valinhos.

Segundo ele, não é o funcionamento dessa pequena central hidrelétrica que está provocando a queda na vazão do Rio Atibaia. “Ela pode provocar alguma queda na vazão em Campinas, mas está havendo redução de vazão também em Atibaia, Itatiba, que ficam antes da usina”, disse. Um possível aumento de retirada de água para irrigação não explicaria também a queda na vazão. “De ontem para hoje tivemos uma queda de 1 m³/s, volume que dá para abastecer uma cidade de 200 mil habitantes”, afirmou. Os técnicos estão investigando a razão da redução na vazão do Atibaia.

Escrito por:

Maria Teresa Costa