Publicado 14 de Agosto de 2018 - 9h43

Por Henrique Hein

Dia D nacional acontece no próximo dia 18; meta é imunizar 56,7 mil

Leandro Ferreira

Dia D nacional acontece no próximo dia 18; meta é imunizar 56,7 mil

A Secretaria de Saúde de Campinas divulgou ontem um novo balanço da Campanha de Vacinação contra Paralisia infantil (poliomelite) e Sarampo na cidade. Segundo o levantamento, cerca de um quarto da meta foi atingida desde o início da aplicação das vacinas, no dia 4 de agosto. Ao todo, foram aplicadas 25,8 mil doses, sendo 13 mil contra pólio e 12,8 mil contra sarampo, o que corresponde a 22,96% e 22,55%, respectivamente do público-alvo, que abrange crianças de um ano a menores de cinco. A meta de Campinas é imunizar 56,7 mil jovens dessa faixa etária até o final da campanha.

A imunização segue em todas as cidades brasileiras até o próximo 31 de agosto, com um Dia D Extra, em 18 de agosto, no Estado de São Paulo. O objetivo da implementação da data no calendário visa elevar a cobertura vacinal dos municípios paulistas, que continua abaixo da meta (95%). Vale lembrar que o Estado antecipou o início da campanha de vacinação contras as doenças com dois Dias D extras de imunização – um deles já ocorreu no dia 4 de agosto.

Em nível nacional, cerca de 1,16 milhão de crianças se vacinaram contra a pólio e 1,51 milhão contra o sarampo em todo o País entre os dias 4 e 9 de agosto. O quantitativo corresponde a 10,36% do público-alvo para a pólio e 10,27% para o de sarampo. De acordo com Governo Federal, mais de 11 milhões de crianças devem ser vacinadas até o final da campanha em todo Brasil. O objetivo é atingir, pelo menos, 95% do público-alvo.

No próximo dia 18, cerca de 4 mil postos de vacinação fixos e 300 volantes estarão abertos no Estado e a meta é vacinar 2,2 milhões de crianças. Em Campinas, todos os 64 postos de saúde da cidade funcionaram na data especial, das 8h às 17h.

Enfermidades

A poliomielite é uma doença infecciosa viral aguda transmitida de pessoa a pessoa, principalmente via fecal-oral. O Brasil está livre desse mal desde 1990. Em 1994, o País recebeu, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem.

Já o sarampo também é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave. É transmitida pela fala, tosse e espirro, sendo extremamente contagiosa e facilmente prevenida pela vacina. A patologia pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. O Brasil enfrenta dois surtos da doença: em Roraima e no Amazonas. Há casos no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Pará, Rondônia e SP.

Mogi Guaçu confirma 3ª morte por H1N1 este ano

Mogi Guaçu confirmou, ontem, a terceira morte por gripe H1N1 e o primeiro caso de H3N2 do município em 2018. O óbito ocorreu um menino de dois anos que morreu no dia 25 de julho, depois de ter sido transferido da Santa Casa de Mogi Guaçu para o Hospital Santa Lydia, em Ribeirão Preto (SP). Segundo a Prefeitura, a criança fazia parte do grupo de risco, pois apresentava insuficiência respiratória e pneumonia bacteriana. Já primeiro caso positivo de H3N2, ocorreu em uma gestante de 21 anos, que também foi atendida na Santa Casa da cidade. A paciente deu entrada no complexo hospitalar no dia 23 de julho, passa bem e já teve alta confirmada.

De acordo com a Prefeitura, a cidade possui ainda outros cinco casos de H1N1 em que os pacientes já receberam alta. Ao todo, as regiões de Campinas e Piracicaba somam juntas 30 mortes por gripe em 2018. 

Escrito por:

Henrique Hein