Publicado 12 de Agosto de 2018 - 20h22

Por Henrique Hein/AAN

Organizadores reuniram o máximo possível de produtores e pessoas que têm o café como um trabalho

Thomaz Marostegan

Organizadores reuniram o máximo possível de produtores e pessoas que têm o café como um trabalho

O Lago do Café, no bairro do Taquaral, em Campinas, recebeu no final de semana a 3ª edição do Festival de Cultura Cafeeira, que contou com apresentações musicais ao ar livre e uma praça de alimentação com food trucks. Durante o evento e ao longo de todo o mês, os visitantes também poderão apreciar a exposição Arte Medieval, que está em cartaz na Casa de Vidro. Entre as obras estão exposições como Da tela para o Barro de Charles Maer, e Ingredientes da fotógrafa Zaida Siqueira. Ao todo, mais de 1 mil pessoas prestigiaram a festividade no final de semana.

A apresentação e repertório musical do evento foi feito pelas duplas de viola campineira Bill e Branco, Márcio de Freitas e Revanche Imediata e apresentação de catira. Durante o evento, atores caracterizados como personagens medievais foram aos poucos convidando o público para acompanhar a exposição <CF461>Arte Medieval</CF>, na Casa de Vidro. Na praça de alimentação, foi oferecido aos visitantes um cardápio com alimentos feito à base de café.

“Um dos objetivos desse evento é também divulgar esse espaço bonito que Campinas tem e que conta um pouco da história da cidade. A gente buscou reunir o máximo possível de produtores e de pessoas que têm o café como um trabalho. No fim das contas, sentimos um efeito positivo por parte do público e notamos que muitos que vieram na primeira e/ou na segunda edição, já ficaram atentas a data desta edição para poder participar de novo. Isso para nós é muito gratificante" , comentou o produtor cultural da Secretaria de Cultura de Campinas, Cristiano Forigato.

A engenheira de segurança do trabalho, Maria Carla Gomes, de 44 anos, foi pela primeira vez ao Largo do Café. Além das comidinhas, do museu e da música ao vivo, ela também elogiou os organizadores do festival. “Achei legal os organizadores utilizarem esse espaço para realizar o evento, porque você consegue trazer o público para conhecer o museu e um pouco da história de Campinas, e ainda atrai pessoas que nunca ouviram falar desse parque bonito e que, curiosamente, fica do lado da Lagoa do Taquaral. Essa foi uma grande sacada dos organizadores, para tentar desenvolver o turismo na área, a meu ver” , comentou.

Mostra

Arte Medieval reúne 20 peças com objetos que fazem alusão à Idade Média, como lanças, espadas, escudos, machados, moinhos, bordunas, elmos, entre outros objetos, criados com equipamentos manuais, “nada de elétrico”, conforme frisa o artista plástico e elaborador da exposição, Anderson Barbosa, “Fui garimpando matéria-prima para dar formato aos objetos. Sempre tudo manual. Até um vaso de flor que na serra demoraria menos de um dia, levo uns 15 dias para concluir. É tudo na unha” , conta o artista paulistano radicado em Campinas há cinco anos. A coleção de Barbosa, começou a ser apresentada na Casa de Vidro, no sábado e seguirá em cartaz até o próximo dia 31. A exposição funciona de terça a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados, das 10h às 13h.

Escrito por:

Henrique Hein/AAN