Publicado 28 de Fevereiro de 2018 - 17h13

Por Adagoberto F. Baptista

RECADO: Não assina meu nome não

Foto: Solicitada

Uma paciente afastada do trabalho por acidente de 54 anos, portadora de necessidades especiais, reclama das filas e da demora no atendimento na farmácia de alto custo, na Ponte Preta, em Campinas. Mônica Elisa Tatti de Barros afirma que na tarde de anteontem sofreu descaso e chegou a ser zombada por uma funcionária quando reclamou da demora. “Tenho dores fortíssimas na coluna e não aguento ficar muito tempo de pé ou sentada. Passo maior parte do tempo na cama. Como havia funcionários conversando entre eles e fazia uns 20 minutos que não chamava ninguém do atendimento especial, fui reclamar com uma atendente que se identificou como Valquíria, e ela zombou de mim. Disse que se quisesse reclamar, deveria registrar um boletim de ocorrência”, contou Mônica.

Após insistência ela disse que conseguiu pegar a medicação, mas alega que já presenciou casos de demoras com idosos. “É muito descaso. Existe a fila de prioridade e se ela existe é por algum motivo. Eu não aguento a ficar de pé e tenho laudos que comprovam isso. Eu cheguei as 12h42 e soube que desde as 11h não havia ninguém da fila de prioridade. Ou seja, quando peguei a senha, já deveriam me chamar”, criticou.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que orienta os funcionários de todas as farmácias estaduais a atender os usuários com respeito e cordialidade. Na unidade em questão, segundo a Pasta, há 110 cadeiras disponíveis. “Vale ressaltar que todas as unidades contam com atendimento preferencial, que é respeitado, e qualquer reclamação os pacientes podem procurar pela ouvidoria do Departamento Regional de Saúde (DRS) de Campinas. É importante esclarecer que a paciente foi informada de que a espera no atendimento preferencial era de cerca de 20 minutos e que ela seria atendida assim que o funcionário terminasse a dispensação de outro paciente”, frisou.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista