Publicado 28 de Fevereiro de 2018 - 18h05

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Digital rac

Henrique Hein

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Com o serviço de faxina interrompido desde o dia 9 de fevereiro, os funcionários de 14 agências do Ministério do Trabalho de São Paulo prometem paralisar as atividades na próxima segunda-feira. O motivo para a adesão de uma possível greve se deve a falta da renovação do contrato, junto à empresa terceirizada responsável pela limpeza, e a demora para a realização de uma nova licitação. Os funcionários alegam ainda que as fiscalizações de empresas, concessão de Seguro-Desemprego e a emissão de documentos como a Carteira de Trabalho, além de outros serviços, já foram prejudicados nas unidades. A lista de cidades inclui Campinas, Piracicaba, São José Campos, Sorocaba, São Carlos e Araraquara.

De acordo com o Rodrigo Iquegami, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait-SP), que representa a categoria, a situação em que se encontram as unidades é crítica. “Estamos preocupadíssimos com a nossa própria saúde. Todos aqui vestem a camisa da instituição, mas alguns funcionários estão ficando doentes, porque você não tem coleta de lixo e tem sujeira acumulada nos banheiros, nas mesas e na cozinha. Fora isso ainda tem muita poeira, mal cheiro; enfim, é uma situação vergonhosa a que estamos sendo submetidos”, afirmou.

Segundo o sindicato, a Superintendência Estadual do Ministério do Trabalho anunciou que os serviços de limpeza seriam restabelecidos até o último dia 23, mas que isso não aconteceu. “A falta de limpeza, no órgão responsável pela verificação do cumprimento de normas de saúde e segurança nas empresas, é um absurdo completo. Essa situação fere gravemente a imagem do Ministério do Trabalho, porque as unidades abrangem uma população superior a nove milhões de pessoas e nós somos responsáveis pelo atendimento dessas pessoas.”, complementou Iquegami.

A reportagem do Correio ainda conseguiu entrar em contato com o Ministério do Trabalho de São Paulo, que ficou de responder. Até o fim desta edição, nenhuma explicação foi dada.

Retranca – Ato

Na última segunda-feira, dia 26, os auditores e servidores do Ministério do Trabalho se reuniram na sede da superintendência, em São Paulo, para exigir o restabelecimento do serviço e discutir medidas de aprimoramento na estrutura administrativa do Órgão.

Segundo o Sinait-SP, uma nova promessa de restabelecimento da limpeza foi prometida e a categoria aguarda pelo restabelecimento do serviço de limpeza até hoje (final do prazo estipulado). “Não descartamos a paralisação total das atividades, se o problema não for resolvido. Se não obtivermos o que é nosso por direito vamos nos reunir na sexta-feira e iniciar a greve na segunda-feira”, disse Iquegami.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista