Publicado 27 de Fevereiro de 2018 - 20h40

Por AFP

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos confirmou nesta terça-feira (27) as tarifas impostas no ano passado sobre importações de folhas de alumínio da China, de quase 400 milhões de dólares no ano, e afirmou que o produto recebe subsídios injustos de Pequim. A decisão intensifica o confronto comercial entre os dois países, que está avaliando tarifas sobre bens chineses em uma iniciativa para reduzir o déficit comercial americano. Contudo, a ação não foi relacionada à decisão eminente da Casa Branca sobre retaliação a importações de alumínio e aço, que o Departamento considera estarem afetando a segurança nacional dos EUA. A agência afirma que fabricantes chineses vendem folhas de alumínio aos Estados Unidos abaixo do preço do mercado, com margens entre 48,6% e 106,9%. O produto também se beneficiou de subsídios injustos de até 80,9%. "Esse governo está comprometido com comércio justo e recíproco e não vamos permitir que trabalhadores e empresas americanos sejam prejudicados por importações injustas", afirmou o secretário de Comércio, Wilbur Ross, em nota. "Essa decisão é resultado de um processo transparente com uma revisão completa e imparcial dos fatos".dg/hs/ll

Escrito por:

AFP