Publicado 27 de Fevereiro de 2018 - 19h20

Por AFP

Havana Club, o emblemático rum cubano, conseguiu ampliar suas vendas mundiais e alcançar uma expansão recorde de 24% no mercado interno, embora enfrente um panorama incerto, após as restrições impostas pelos Estados Unidos."Em 2017, o Havana Club bateu um recorde histórico de vendas, não apenas em Cuba, mas no mundo. No mercado cubano, tivemos um crescimento em relação ao ano anterior de 24%", disse à AFP o subdiretor de Vendas para Cuba da bebida, Ahmed Álvarez.O crescimento foi estimulado pelo maior turismo interno, com a chegada de 4,5 milhões de visitantes no ano passado. A demanda foi centrada nas modalidades premium de Havana Club, uma propriedade do governo de Cuba e da francesa Pernod Ricard.Contudo, em 2018 o panorama pode não ser tão favorável. "O ritmo de crescimento do turismo não deve se comportar da mesma maneira, e isso impacta na venda de nossos produtos", acrescentou Álvarez. Em 2014, durante o governo de Barack Obama, Washington e Havana iniciaram uma aproximação história, com a reabertura das embaixadas no ano seguinte. Entretanto, após a chegada de Donald Trump ao poder e os misteriosos "ataques acústicos" a diplomatas americanos na ilha, a relação endureceu. Trump ordenou o retorno de funcionários diplomáticos sediados em Cuba e deixou a embaixada com funcionamento mínimo. Ele também pediu a seus cidadãos para reconsiderarem suas viagens a Havana.Essas restrições "evidentemente estão impactando, sobretudo no decréscimo que visualizamos no turismo norte-americano. Temos no terminal do aeroporto promotores (da marca) e eles notam que, em relação ao ano anterior, há uma queda no número de viajantes", e isso afetou as vendas do free shop. Para seus mercados clássicos, a Havana Club lançou o Rum Tributo 2018, uma edição limitada de 2.500 garrafas. Contudo, pelo bloqueio que Washington aplica à ilha desde 1962, eles não podem acessar os Estados Unidos, onde está 40% da demanda global de bebidas alcoólicas.Em nível mundial, os mercados mais importantes do rum cubano estão na Alemanha e na França. Na China, que foi a compradora de outro produto típico de Cuba, os charutos, a bebida ainda não emplacou. Os asiáticos preferem o uísque, ou produtos locais. mav/rd7gm/ll

Escrito por:

AFP