Publicado 27 de Fevereiro de 2018 - 8h10

Por AFP

O Santo Sepulcro, onde está o túmulo de Jesus Cristo segundo a tradição cristã, continuava fechado nesta segunda-feira (27) pelo terceiro dia consecutivo, em um protesto sem precedentes contra uma medida fiscal e um projeto de lei israelense sobre os bens das igrejas.No domingo, os chefes das igrejas greco-ortodoxa, armênia e católica, que compartilham a guarda do local, adotaram a decisão excepcional de fechar as portas desse monumento construído, segundo a tradição cristã, no lugar da crucificação e onde fica o túmulo de Cristo.Os líderes religiosos protestam contra uma decisão anunciada há algumas semanas pela prefeitura israelense de Jerusalém de obrigá-los a pagar impostos sobre suas propriedades que não sejam locais de culto, ou de educação religiosa, mas que tenham atividades comerciais que geram receita.Também protestam contra uma projeto de lei israelense, o qual - alegam - atacaria seus direitos de propriedade em Jerusalém.Há três dias, milhares de peregrinos e de turistas de todo o mundo encontraram fechados os pesados portões de madeira do Santo Sepulcro. Foram muito raros os fechamentos anteriores no último quarto de século - e por tempo limitado.Por enquanto, nada parece indicar que vai-se superar facilmente a crise entre as igrejas e as autoridades israelenses.Em nota, o prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, disse que a cidade planeja recuperar impostos atrasados da ordem de 650 milhões de shekels (ou 170 milhões de dólares) em algumas propriedades, como "hotéis, salas de reunião e lojas" que pertencem às igrejas.Os líderes cristãos consideram que o projeto compromete seu trabalho diário e alegam que esses bens servem para sua obra social.mab-lal/feb/me.zm/tt

Escrito por:

AFP