Publicado 28 de Fevereiro de 2018 - 10h22

Por Estadão Conteúdo

O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, abordou hoje a questão da normalização da política monetária e avançou em relação a comentários anteriores, ao citar a necessidade de se ajustar a política de forma bastante gradual para evitar que a economia do país seja prejudicada.

"Um banco central tem de evitar causar qualquer tipo de choque à economia", disse Kuroda durante sessão no Parlamento.

Kuroda admitiu que a normalização terá de ocorrer eventualmente, mas apontou a experiência dos EUA, numa provável referência ao forte avanço nos rendimentos dos Treasuries que antecipou o início da retirada dos estímulos pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), em 2013.

"Não acho que o (BoJ) vai continuar com intenso relaxamento monetário se a meta de inflação for atingida e a economia se expandir de forma constante", afirmou Kuroda, acrescentando que financiar dívida do governo não é uma atribuição do banco central.

A fala de Kuroda indica maior disposição sua de falar sobre a eventual saída da política atual, assunto que ele até agora se mostrou relutante em discutir em público, uma vez que a inflação no Japão continua bem distante da meta do BoJ, que é de uma taxa de 2%.

Nos últimos tempos, Kuroda havia reiterado em várias ocasiões que debater uma possível saída do relaxamento monetário poderia passar uma impressão errada e causar confusão desnecessária.

Analistas dizem que comunicar aos participantes de mercado sobre a futura normalização da política monetária será provavelmente o principal desafio de Kuroda em seu segundo mandato de cinco anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Escrito por:

Estadão Conteúdo