Publicado 27 de Fevereiro de 2018 - 17h38

Por Estadão Conteúdo

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, rebateu nesta terça-feira, 27, as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que afirmou que "governos, sobretudo quando não são fortes, apelam para os militares", e disse que o presidente Michel Temer fez um "grande acerto" ao utilizar das Forças Armadas na intervenção na segurança do Rio. "Não (é uma fraqueza). É uma inteligência do governo, é uma medida necessária que tem se apresentado útil", destacou Barros, após evento no Palácio do Planalto.

O ministro citou ainda o uso de militares na crise em Roraima, por conta da imigração dos venezuelanos, e lembrou que as Forças Armadas também deram suporte na segurança durante os Jogos Olímpicos de 2016. "Utilizamos na Olimpíada (os militares) e não ouvi esse comentário quando o exército esteve presente", declarou.

Barros disse ainda que apesar da medida de intervenção ser inédita, a utilização das Forças Armadas é um dispositivo constitucional. "Cumprir a Constituição nunca poderá ser visto como fraqueza", destacou.

O ministro também minimizou o fato de o general da reserva Joaquim Silva e Luna ser o primeiro militar no comando do Ministério da Defesa e disse aos jornalistas que, apesar do ofício da imprensa ser questionar, é preciso aplaudir de vez em quando. "As medidas do presidente são absolutamente acertadas", disse.

Saída

Barros afirmou que pretende sair do ministério até o fim de março, que não deve fazer indicações para o seu sucessor e que acredita que Temer saberá escolher o seu substituto. "Entrego minha tarefa e espero que presidente tenha sabedoria para escolher outro nome", disse.

Escrito por:

Estadão Conteúdo