Publicado 27 de Fevereiro de 2018 - 14h32

Por Estadão Conteúdo

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, afirmou nesta terça-feira que mudanças na política fiscal dos Estados Unidos podem gerar reflexos na política monetária. "Minha visão pessoal é que as mudanças na política fiscal elevarão a demanda de maneira significativa", disse. Ele enfatizou, de qualquer modo, a importância de que o governo americano tenha uma trajetória fiscal sustentável.

Questionado por deputados na Câmara, Powell disse que, seguindo a postura de seus antecessores, não pretendia ser um comentarista da questão fiscal, já que ela não está no escopo de ação do Fed. Mas admitiu que as mudanças nessa área geram impactos, que podem se refletir nas ações do BC americano. Powell afirmou que os EUA terão de lidar com "questões fiscais significativas" mais adiante e defendeu que o teto da dívida seja elevado sempre no momento adequado, para se evitar problemas como a paralisação parcial das atividades do governo federal. Falando em tese, ele lembrou que um default dos EUA "poderia gerar consequências significativas".

Alguns deputados comentaram a reforma tributária do presidente dos EUA, Donald Trump, que cortou impostos para empresas em uma tentativa de impulsionar o crescimento econômico. Na opinião de Powell, as políticas fiscais devem estar voltadas para a alta da produtividade. Ele lembrou, porém, que a elevação da produtividade não está no escopo de atuação do Fed, e sim do Congresso. Sobre a questão dos salários mínimos, também recordou que isso não está no âmbito de atuação do BC.

Ao ser questionado por um deputado sobre a questão da imigração, ele disse que não queria entrar nessa questão política polêmica. Após o congressista enfatizar que pretendia apenas tratar do aspecto econômico, Powell comentou que, com todas as outras variáveis mantidas, a perda de trabalhadores em idade produtiva significaria uma redução na produtividade.

Falando sobre os mandatos do Fed, Powell enfatizou que a meta de 2% de inflação é levada a sério pelos dirigentes, bem como a obrigação de atingir o máximo emprego possível, sem gerar descontrole nos preços.

Powell também comentou a questão da regulação, ressaltando que as autoridades precisam ser transparentes sobre o assunto. Segundo ele, o risco sistêmico bancário diminuiu, desde a última crise financeira.

O presidente do Fed disse ainda que vê uma recuperação no mercado imobiliário, embora de maneira gradual. Perguntado sobre o assunto, lembrou que os mercados precisam estar preparados para o fim da taxa Libor. Ele informou que o Fed tem se preparado para o risco de que a Libor deixe de ser publicada.

Escrito por:

Estadão Conteúdo