Publicado 26 de Janeiro de 2018 - 19h44

Por Adriana Leite e Silva

Fotos: Leandro Ferreira

Adriana Leite

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O Aeroporto Internacional de Viracopos é um grande gerador de tráfego nas rodovias que cortam a Região Metropolitana de Campinas (RMC), como a Bandeirantes e a Santos Dumont. Há muito tempo existem discussões para criar opções de transporte público mais eficientes que conectem Campinas até o terminal, e também um trem que permita a chegada de público de São Paulo e outras cidades do Interior à Viracopos. A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) realiza, desde o ano passado, um estudo de viabilidade de uma nova forma de locomoção do centro da cidade até o terminal. O trabalho deve ficar pronto em 90 dias.

Uma empresa foi contratada para realizar o plano junto com técnicos da Emdec. O projeto conta com R$ 1,2 milhão em recursos que vieram do Ministério das Cidades. O objetivo é mostrar qual o melhor modal e o trajeto mais conveniente para agilizar o trânsito de passageiros para Viracopos. O serviço terá diferenciais em relação ao modelo atual de transporte público e a meta é proporcionar mais conforto e rapidez para chegar até o aeroporto.

O secretário municipal de Transportes, Carlos José Barreiro, afirma que o resultado do estudo irá apontar pelo menos duas sugestões de modal e trajeto para o novo serviço de transporte público até Viracopos. “Começamos o estudo analisando cinco opções de trajeto como o Eixo Santos Dumont, o Corredor Ouro Verde e a Estrada Velha de Indaiatuba (Rodovia Lix da Cunha). Nos modais, analisamos ônibus convencional, BRT (Bus Rapid Transit), BRT elétrico, VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), monotrilho e aeromóvel”, aponta.

Ele diz que o aeromóvel é uma inovação pouco conhecida no Brasil, mas já usada em Jacarta (Indonésia). No País, o modal foi implantando na ligação até o Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. Atualmente, segundo Barreiro, as avaliações dos técnicos convergiram para duas alternativas de modais: VLT e BRT (convencional ou elétrico). O trajeto conta com três opções: Estrada Velha de Indaiatuba, Corredor Ouro Verde e extensão da Avenida das Amoreiras.

“O estudo de viabilidade vai mostrar quais as melhores soluções técnicas e econômicas para a implantação do projeto. Vamos apontar as alternativas. O estudo está em fase final e devemos apresentá-lo em 90 dias. O objetivo é apresentar uma alternativa de transporte público que atendam os moradores de Campinas no trajeto até o aeroporto e também os passageiros que vão embarcar em Viracopos”, ressalta.

O secretário diz que a meta é oferecer uma opção de transporte público confortável e ágil para o deslocamento do centro até Viracopos e também na direção contrária. O serviço terá um custo mais elevado do que a tarifa do ônibus convencional, que hoje é de R$ 4,70 (dinheiro) e R$ 4,30 (cartão Bilhete Único). Barreiro antecipa que o projeto vai prever dois tipos de ligações: expressa e a linha que fará paradas ao longo do trajeto.

“Dessa forma, atendemos quem quer ir direto para Viracopos e também os moradores da cidade que desejam se deslocar para os bairros no trajeto do serviço ou chegar ao Centro da cidade”, afirma. Ele comenta que a linha expressa deve fazer o trajeto do Centro até Viracopos entre 20 minutos e 25 minutos. Barreiro observa que em várias partes do mundo existem serviços específicos para atender o deslocamento entre as cidades e os aeroportos.

Estudo

Barreiro diz que o estudo de viabilidade aponta para um potencial de 25 mil passageiros por hora por sentido. “O volume é suficiente para ser instalado um BRT ou VLT. Mas não é suficiente para implantarmos um metrô ou um trem, por exemplo. Por mês, a estimativa é de 5 a 6 milhões de passagens na operação completa. Para termos uma dimensão, hoje o sistema de transporte público de Campinas tem de 15 a 16 milhões de passageiros por mês”, detalha o secretário.

Ele afirma que, depois de pronto, o trabalho será encaminhado para o Ministério das Cidades como forma de mostrar o resultado dos recursos empregados pelo órgão para melhorar a mobilidade urbana no município. “Após a definição do modal e do trajeto, iremos atrás de recursos para conseguir implantar o projeto. Queremos que essa nova opção para deslocamento até Viracopos seja implantada até o final da atual gestão”, diz.

RETRANCA 1

Hoje para chegar ao Aeroporto Internacional de Viracopos saindo de Campinas existe o sistema público e também uma linha executiva operada ela LiraBus. De acordo com a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), sete linhas do transporte público chegam até Viracopos com trajeto passando por bairros ou saindo do Centro da cidade. Elas transportam juntas cerca de 6 mil passageiros por dia útil, conforme o órgão.

A LiraBus informa que há partidas saindo do Largo do Pará e da Rodoviária indo até Viracopos. Há também uma linha de Indaiatuba a São Paulo que passa pelo terminal aéreo. Existe ainda a ligação de São Paulo ao aeroporto de Campinas.

Elementos

18

quilômetros

é a extensão prevista do trajeto da nova opção de transporte público até Viracopos

Confira as linhas de transporte público que vão até Viracopos:

187 - São Domingos / Viracopos

188 - Jardim Fernanda / Viracopos

188.1 - Jardim Fernanda / Viracopos

191.1 - Jardim Fernanda

193 - Aeroporto de Viracopos

196 - Terminal Ouro Verde / Aeroporto de Viracopos (Via Dic IV)

198 - Terminal Ouro Verde

Fonte: Emdec

Escrito por:

Adriana Leite e Silva