Publicado 04 de Janeiro de 2018 - 19h36

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Leandro Ferreira

Henrique Hein

Da Agência Anhanguera

[email protected]

A cidade de Campinas recebeu ontem a tarde, no Largo das Andorinhas, no Centro, a terceira edição da Maratona do Abraço (Free Hugs). A iniciativa social e mundial, busca distribuir abraços gratuitos, em espaços públicos, com o objetivo de surpreender e tirar as pessoas da rotina corriqueira do dia a dia. O evento teve duração de três horas, das 14h às 17h, e contou com ao menos 15 cartazes confeccionados.

No Brasil, o projeto ocorre desde 2015, através da iniciativa da ONG Amor em Movimento. Ontem, as cidades de Uberlândia (MG), Florianópolis (SC), Brasília (DF), Salvador (BA) e Curitibanos (SC), também participaram da ação. No Rio de Janeiro (RJ), a festividade foi cancelada por conta da chuva. As últimas edições, em Campinas, ocorreram nos meses de outubro e novembro do ano passado, respectivamente.

A coorganizadora da etapa, Shirley Vivaldini, explicou que a ONG trabalha com temáticas holísticas, capazes de despertar na sociedade o sentimento de doação ao próximo. “Nós acreditamos que pequenas ações podem mudar o mundo. Quando estendemos um cartaz pedindo um abraço, algumas pessoas olham meio torto, outras dão risada e outras choram. É exatamente isso que queremos que elas sintam, porque que no meio de tanta correria, muitas vezes, nós deixamos de nos preocupar com nós mesmos e com o próximo”, contou.

De acordo com a coorganizadora, os cartazes que os voluntários seguraram durante a ação foram feitos pelos alunos do Colégio Photon. “Meu filho estudou lá e é uma escola que eu gosto bastante. Entrei em contato com a diretora e ela gostou da iniciativa. Desde a segunda edição da Maratona, os alunos do período integral do Colégio tem nos ajudado.” explicou a coorganizadora. Ela informou ainda que a ONG tem o interesse de realizar o evento todos os meses. “Queremos que a Maratona do Abraço aconteça uma vez por mês aqui em Campinas. A nossa primeira edição foi em outubro; a segunda foi em novembro e, só não fizemos a terceira, em dezembro, por conta das festividades de fim de ano”, ressaltou.

A Enfermeira Raquel Azevedo, de 45 anos, participou pela primeira vez do movimento. Ela foi convidada pela organização do evento e, aproveitou para levar a filha Victória, de 6 anos. A mãe elogiou a iniciativa. “Foi tudo muito gostoso. Minha filha segurou os cartazes e foi abraçada por muitas pessoas. Eu confesso que a gente não esperava encontrar tanto carinho em um só lugar. Foi uma experiência diferenciada”, disse.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista