Publicado 02 de Janeiro de 2018 - 20h30

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Arquivo RAC

Henrique Hein

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Uma alteração na qualidade de água do Rio Atibaia, na manhã de ontem, impactou o funcionamento da ETA II, estação de tratamento de água, localizada no Parque Itália, em Sumaré. O local é responsável por abastecer cerca de 70% da população da cidade. Os moradores dos bairros das regiões de Nova Veneza, Maria Antônia e Matão tiveram os seus abastecimentos impactados.

A empresa BRK Ambiental, que faz o monitoramento frequente das captações de água do Rio Atibaia, informou que identificou na manhã de ontem a alteração na qualidade da água do reservatório manancial e, que por esse motivo, sentiu a necessidade de interromper a captação, por uma medida de segurança, a fim de minimizar os impactos que a água poderia causar no abastecimento de água da população do Município de Sumaré.

A CETESB, agência ambiental do estado, foi acionada e compareceu ao local ainda no período da manhã. Os técnicos coletaram as amostras da água para realizar análises mais aprofundadas em laboratórios. Segundo a Agência ambiental, somente após os resultados das pesquisas, é que será possível descobrir o que teria acontecido com a àgua do reservatório. Até o fechamento dessa edição ainda não haviam informações sobre as substâncias presentes no trecho do Rio Atibaia.

Assim que detectou a retomada da qualidade da água bruta no manancial, por volta das 15 horas de ontem, a Concessionária voltou a operar o sistema de captação para regularização do abastecimento das áreas atendidas pela ETA II. A previsão, segundo a empresa, era de normalização total do sistema hídrico até as 23 horas de ontem.

A BRK Ambiental, por meio de nota, disse ainda que realiza o monitoramento sistemático frequente de suas captações, com o objetivo de garantir a qualidade da água que é distribuída à população. Em caso de dúvidas, a população pode entrar em contato com a concessionária por meio do telefone 0800 771 0001. A ligação é gratuita e o atendimento funciona 24 horas por dia.

O Correio ainda tentou ouvir a Prefeitura de Sumaré, mas não obteve respostas.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista