Publicado 02 de Janeiro de 2018 - 19h59

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Carlos Rodrigues

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Depois de um 2017 bastante positivo, a equipe sub-20 da Ponte Preta quer repetir os bons resultados nessa temporada. Nada melhor, então, do que uma campanha de destaque na Copa São Paulo de Futebol Júnior. Depois de alcançar as oitavas de final no ano passado, a Macaquinha inicia a atual edição hoje, contra a Chapecoense, às 20h, no Estádio Dr. José Lancha Filho, em Franca. A partida é válida pelo Grupo 9, que ainda tem Francana e Araxá.

Além do desempenho na própria Copinha, a Ponte se destacou em 2017 também por ter sido campeã paulista sub-17 e vice no sub-20. Resultados de um trabalho que visa colher ainda mais frutos. “O bom trabalho de 2017 já foi consequência de um processo que começou em 2016. O sucesso na Copa São Paulo já gerou a subida de alguns jogadores para o profissional”, aponta o técnico Leandro Zago, que segue no comando da equipe. “O que apostamos é que, a partir de agora, tenhamos um processo que se alimente permanentemente”.

Por conta do bom trabalho nas categorias amadoras, a Macaca que disputa a Copinha terá alguns desfalques. Os principais são o lateral-direito Emerson e os atacantes Fellipe Cardoso e Yuri, que possuem idade para disputar o torneio, mas já estão treinando com o elenco profissional. Sem eles, Zago aposta numa mescla. “Esse elenco tem atletas que estão comigo há praticamente dois anos, casos do Handerson (zagueiro), do Heitor (lateral-esquerdo e do Thiago (atacante). Eles formam a base desse time. Temos também alguns jogadores campeões no sub-17 que já serão aproveitados aqui”, explica.

Apesar de evitar projeções, o técnico crê em mais uma boa campanha e pensa na decisão — a Ponte tem dois títulos da Copinha (1981 e 1982). “Vamos brigar pela liderança do grupo, mas temos jogos com particularidades diferentes. A meta que vou traçar com os atletas é vencer a próxima partida. É degrau a degrau para tentar chegar à decisão”, conclui o treinador.

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva