Publicado 04 de Janeiro de 2018 - 5h30

Os resultados do Natal animaram os comerciantes e mostraram que os consumidores decidiram mesmo abrir a carteira no final do ano. Mas agora, passada a euforia das compras dos presentes, é a vez de quem deixou para fazer compras depois das festas aproveitar as promoções nas lojas.

Todas as grandes redes anunciam liquidações que prometem limpar os estoques que sobraram do final de ano. As vendas no período natalino cresceram 3,55% em relação ao ano anterior e atingiram R$ 2,49 bilhões.

Quem conseguiu se segurar em dezembro tem bons motivos para comemorar o acerto da decisão: os descontos prometidos chegam a até 70%. Mas é sempre bom ficar de olho e checar se eles são mesmo deste tamanho.

Os representantes do varejo garantem que sim. O coordenador do Departamento de Economia da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic), Laerte Martins, afirmou que os lojistas aproveitam esses primeiros dias do ano para zerar os estoques que ficaram do Natal.

“O Natal teve um resultado bastante positivo e a previsão é que o comércio feche 2017 no azul. E o começo de ano é tradicionalmente o período das promoções e liquidações”, disse.

O Magazine Luiza realiza amanhã sua “Liquidação Fantástica” em todas as suas 830 lojas do País. Segundo a empresa, os descontos chegam a 70% e incluem mais de 3 milhões de produtos de setores como eletrodomésticos, eletroeletrônicos, móveis, utilidades domésticas, brinquedos e informática. A ação, uma das mais tradicionais do varejo brasileiro, costuma atrair clientes que formam filas na porta das lojas - que abrem nas primeiras horas da manhã.

O Extra também já começou o seu “Saldão”, que vai até o próximo domingo. Segundo a empresa, há ofertas em diversas categorias. Os descontos nas áreas de bazar e eletro chegam a até 60%. A rede também oferece condições de pagamento diferenciadas.

Procura

Os consumidores afirmaram que estão de olho em ofertas que, realmente, tragam economia para o bolso.

“Sempre deixo uma reserva guardada para comprar no começo do ano. Não saio comprando feito louca no Natal porque os preços sempre sobem entre os meses de novembro e dezembro. Neste ano, guardei dinheiro para trocar a televisão do meu quarto. Meu marido adora futebol e como vai ter Copa do Mundo, vou aproveitar”, contou a auxiliar administrativa Rosa Maria Lima.

Quem também aproveita os saldões de janeiro é a dona de casa Maria Alice Silva. Ela disse que encontra até alimento mais barato. “Passei no supermercado e já encontrei ofertas. Compro produtos não perecíveis e guardo. Também aproveito para comprar roupas e sapatos. Comprar no final de ano, para mim, é bobagem. Mas mesmo agora é preciso pesquisar. Tem muita oferta que é enganosa, e por isso eu sempre considero muito bem o preço e evito comprar por impulso”.