Publicado 05 de Janeiro de 2018 - 5h30

Enquanto a revitalização do Centro de Convivência, no bairro do Cambuí, não ocorre, os moradores da região cobram uma atitude da Prefeitura de Campinas. De acordo com eles, o local está mal iluminado e perigoso. Os frequentadores afirmam ainda que a praça vem sendo palco constante de brigas entre usuários de drogas e que a segurança do local está comprometida.

Luís Fernando Cruz, que há um ano mora em um apartamento próximo ao Convivência, afirmou que praticamente não há iluminação na praça Imprensa Fluminense. “À noite isso aqui parece um filme de terror. Quando anoitece fica muito escuro. Eu confesso que acho muito difícil alguém caminhar por aqui se sentindo seguro”, disse o comerciante, que apesar de gostar de caminhar à noite, prefere ficar em casa do que ir ao Centro de Convivência. “O que nós moradores percebemos é que sempre junta uma molecada aqui. Eles fazem muita bagunça e arrumam confusão com quem não tem nada a ver com a história. Eu e minha esposa, particularmente, paramos de caminhar à noite, porque está ficando muito perigoso”, ressaltou.

Para o empresário Luiz Paulo Molina, que costuma frequentar a praça, a situação gerou um receio grande por parte dos moradores da região. “Além de falta de iluminação pública, a gente percebe que está havendo um aumento no número de moradores de rua. É triste dizer, mas a situação da Praça do Centro de Convivência é de total abandono por parte das autoridades”, afirmou o empresário.

O chapeiro Adriano Gomes da Silva trabalha em um dos bares de maior movimento do Cambuí. Ele explicou que entra no serviço todo dia às 16h, mas que antes do expediente tem o costume de ir ao Centro de Convivência para relaxar um pouco. Ele evita passar pela praça à noite. ”Eu gosto de fazer isso para me sentir bem antes de trabalhar, mas quando acaba o meu expediente eu prefiro não passar por aqui para voltar para casa. É tudo muito escuro e eu tenho medo de ser assaltado ou de que alguns drogados, que dormem aqui, façam algo comigo”, explicou o chapeiro.

Também moradora em um apartamento próximo ao Centro de Convivência, a diarista Luzia Silêncio comentou que têm dificuldade para dormir por conta do barulho recorrente todas as noites. “Muitos jovens brigam entre si, picham as estruturas e usam drogas aqui durante a noite. Eu fico indignada, porque ninguém toma uma atitude. Eu, por exemplo, moro aqui na Rua Padre Vieira e quase todas as noites sinto dificuldade para dormir, porque o barulho que os bagunceiros fazem é muito grande. Às vezes chego até a acordar”, comentou.

Checagem

Em nota, a Prefeitura informou que o Departamento de Parques e Jardins (DPJ), da Secretaria de Serviços Públicos, realiza manutenções constantes no local, como corte de grama e limpeza das plantas. O órgão municipal disse, contudo, que vai enviar agentes do DPJ no local para verificar se existe algum ponto de luz danificado e que, se alguma irregularidade for constatada, vai providenciar o reparo.

[TEXTO]A Prefeit[/TEXTO]ura disse ainda que a área da praça é bem adensada de árvores, o que pode, em algum momento, aparentar a diminuição da luminosidade. Por isso, há cerca de um ano, as áreas do Centro e centro expandido, que abrangem as ruas do entorno do Centro de Convivência, receberam nova iluminação, com lâmpadas de LED de 110 watts, mais potentes e com maior luminosidade, além de mais econômicas e ambientalmente sustentáveis. A Prefeitura também afirma que desde 2013 tem implantado melhorias na iluminação pública em mais de 5 mil pontos da cidade. O investimento teria sido de R$ 7 milhões.

Quanto à segurança, a Secretaria de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública informou que mantém as rotinas de patrulhamento da Guarda Municipal de Campinas no Centro de Convivência, com atenção especial nos finais de semana. “Cabe ressaltar que a presença da GM também é constante quando há eventos no local, como parte do apoio prestado a eventos municipais”, diz a nota oficial.

A Prefeitura informou ainda que os moradores da região podem acionar o órgão municipal pelos canais 156, pelos aplicativos Colabore e Portal do Cidadão, caso percebam que alguma lâmpada esteja apagada ou alguma outra solicitação seja necessária.