Publicado 03 de Janeiro de 2018 - 5h30

Mesmo com as fortes chuvas que atingiram a cidade nos últimos dias de 2017, Campinas terminou o ano abaixo da média esperada. Segundo os dados do Centro de Pesquisas Aplicadas à Meteorologia (Cepagri), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), choveu 50 milímetros menos que o previsto — a expectativa era que chovesse 1479mm e foram registrados 1429mm.

A pesquisadora Ana Ávila, do Cepagri, explicou que desde 2014, quando o Estado passou por uma severa crise hídrica, os números ficaram abaixo ou exatamente na média. Apesar de o número ter ficado aquém do esperado, a pesquisadora garante que a agricultura do País não foi afetada. “Para a agricultura, a chuva veio conforme o esperado. O Inverno foi mais seco, mas não atrapalhou”, explicou.

“As previsões indicam um período de normalidade para os próximos meses. Dezembro, janeiro e fevereiro são os mais chuvosos do ano. Janeiro e fevereiro representam 50% do total anual das chuvas”, disse a pesquisadora. Mesmo que a previsão seja otimista, ela afirma que, ainda assim, a população deve ter consciência e economizar água.

A previsão climática da Defesa Civil de Campinas é de mais chuva para os próximos dias em Campinas. As temperaturas continuarão abaixo dos 30ºC até a próxima semana. Até o próximo dia 11 existe a possibilidade de chuva na cidade. Além disso, é importante lembrar que a característica do Verão é de chuvas acompanhadas de temporais no fim da tarde.

A máxima prevista para hoje é de 28ºC e a mínima não deve ultrapassar os 21ºC. Amanhã, a máxima está prevista em 24ºC e na sexta-feira o dia ficará um pouco mais quente, podendo chegar a 27ºC.

Economia

Além de ajudar a evitar possíveis racionamentos na rede de água, em tempos de crise, controlar o consumo de água também colabora com as contas da casa. Para que a economia seja efetiva, a Sociedade de Abastecimento de Água e Abastecimento (Sanasa) deixa disponível no site algumas dicas para evitar o desperdício.

Entre as principais estão: verifique o consumo mensal em metros cúbicos (m³) marcado na sua última conta de água e divida o volume pela quantidade de pessoas (inclusive crianças. Se o resultado for maior que 6, pode indicar existência de vazamentos ou desperdícios. Feche bem as torneiras e o registro do chuveiro depois de usá-los. Evite lavar carro com frequência e, quando lavar, utilize dispositivos para o fechamento automático nas mangueiras ou use um balde. Além disso, quem encontrar pontos de vazamento pelas ruas da cidade pode ainda entrar em contato com a Sanasa pelos telefones 0800-7721195 ou 3735-5000.