Publicado 25 de Janeiro de 2018 - 19h20

Por AFP

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, criticou diretamente o líder palestino Mahmud Abbas nesta quinta-feira, acusando-o no Conselho de Segurança de não ter a coragem necessária para alcançar um acordo de paz.Haley falou pouco depois que o presidente Donald Trump insistiu que os palestinos "faltaram com o respeito" aos Estados Unidos e lançou uma nova ameaça de cortar a ajuda econômica durante uma reunião com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Davos, na Suíça.Os Estados Unidos continuam estando "profundamente comprometidos" com um acordo de paz israelense-palestino, disse a diplomata, "mas não vamos perseguir uma liderança palestina que não tem o que precisa para alcançar a paz"."Para conseguir resultados históricos, precisamos de líderes valentes", acrescentou.Haley, que defendeu de maneira contundente Israel nas Nações Unidas, disse que Abbas "insultou" Trump.Abbas cancelou uma esperada reunião com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, para protestar pela decisão de Washington de reconhecer Jerusalém como capital israelense. Os palestinos consideram que essa cidade seria a capital de seu futuro Estado.No Conselho de Segurança, o embaixador palestino, Riyad Mansour, disse que a busca da paz tem sido "o trabalho de toda a vida" de Abbas e sugeriu que os ataques contra o líder palestino são uma forma de "demonização".Mansour disse que o rechaço palestino à decisão americana sobre Jerusalém "não tinha a intenção de 'desrespeitar'", mas que, ao contrário, foi uma "posição ancorada no completo respeito à lei, e aos princípios de justiça e equidade".O Conselho de Segurança se reuniu para discutir as tensões israelenses-palestinas pela primeira vez desde que a Assembleia Geral rejeitou, com 128 votos a favor, 9 contra e 35 abstenções, a decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.A posição de Washington rompeu com décadas de consenso internacional segundo o qual o status da cidade deveria definir-se como parte de um acordo entre Israel e os palestinos que vislumbre dois Estados.cml/ska/rsr/val/cc

Escrito por:

AFP