Publicado 25 de Janeiro de 2018 - 17h20

Por AFP

O governo espanhol anunciou nesta quinta-feira que pretende recorrer contra a candidatura do independentista Carles Puigdemont à presidência da Catalunha, alegando que pesa sobre ele uma ordem de prisão por seu papel na frustrada secessão catalã.O governo central prevê "interpor ao Tribunal Constitucional a impugnação da resolução (...) que propõe à Câmara o deputado Carles Puigdemont como candidato à presidência da Generalitat (Executivo catalão)", informou em entrevista coletiva a vice-presidente do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría.O recurso poderia ser apresentado nesta sexta-feira pelo chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, após cumprir, nesta quinta, um requisito prévio - solicitar um informe ao Conselho de Estado sobre o tema -, explicou a vice-presidente.Se o Tribunal Constitucional aceitar o trâmite do recurso, "isso implicaria na suspensão" imediata de sua candidatura, explicou. Puigdemont, em exílio voluntário em Bruxelas desde o fim de outubro para evitar uma investigação por rebelião e sedição, é o único candidato para assumir novamente como presidente da Catalunha pelo Parlamento regional.Destituído pelo governo do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, após a frustrada declaração de independência feita pelo Parlamento catalão em 27 de outubro, Puigdemont solicitou garantias para poder retornar à sessão de posse, que deve acontecer até 31 de janeiro.A sessão de posse foi marcada nesta quinta-feira pelo presidente do Parlamento, o separatista Roger Torrent, para as 14h00 GMT (12h00 em Brasília) da próxima terça-feira, mediante um documento que ratifica que o candidato é Puigdemont.O líder catalão, no entanto, pode ser detido se retornar a Espanha, o que gerou a possibilidade de uma posse por teleconferência, algo que tem a oposição veemente do governo espanhol.

Escrito por:

AFP