Publicado 25 de Janeiro de 2018 - 15h20

Por AFP

As Nações Unidas tentarão dar um novo impulso a partir desta quinta-feira (25), em Viena, às negociações de paz na Síria, onde a violência continua fazendo estragos depois de sete anos de uma guerra que matou mais de 340.000 pessoas.Um mês depois de uma reunião infrutífera em Genebra, a oitava, as delegações do regime e da oposição se encontram durante dois dias na sede da ONU na capital austríaca no que constitui "a última esperança de paz", segundo o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian.Nas conversas anteriores, as diferentes partes não chegaram sequer a falar entre si.Responsáveis do governo sírio mantiveram conversas durante duas horas com o enviado especial da ONU, Staffan de Mistura. Depois foi a vez da oposição Comissão de Negociações Sírias (CNS).De Mistura disse na quarta-feira que as negociações em Viena ocorriam em um "momento muito, muito crítico".A principal questão que bloqueia o processo é o futuro do presidente sírio Bashar Al-Assad, cujas forças dominam a situação no terreno desde que a Rússia iniciou seu apoio em 2015. Representantes do governo sírio rejeitam se reunir diretamente com a oposição até que deixem de lado sua exigência de que Assad abandone o poder.Para Nasr Al Hariri, da CNS, estes dois dias significam "um autêntico teste para todas as partes".- Combates como pano de fundo -A reunião de Viena acontece enquanto são realizadas várias ofensivas militares no terreno, uma dirigida pela Turquia contra a cidade a Afrin, em mãos curdas, e outra do regime contra os rebeldes na província de Idlib e Guta Oriental.O ministro francês Le Drian insistiu que "a situação de degradação humanitária é considerável na Síria, tanto na zona de Afrin como na zona de Idlib e na zona de Guta Oriental, com outros participantes e o regime que cercam as forças de oposição".O chefe da diplomacia alemã, Sigmar Gabriel, pediu à Otan uma abertura das discussões na aliança após a polêmica intervenção turca.A intervenção da Turquia em Afrin gerou tensões entre Ancara e os Estados Unidos, que prestaram apoio às milícias curdas em sua batalha contra o grupo Estado Islâmico. O presidente americano, Donald Trump, pediu na quarta-feira a seu contraparte turco, Recep Tayyip Erdogan, que "reduza e limite suas ações militares" na Síria.Erdogan insistiu, no entanto, que sua ofensiva é uma medida de segurança nacional, já que os combatentes curdos das YPG (Unidades de Proteção do Povo), contra os quais está lutando, são considerados por Ancara como o braço sírio do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). Estas conversas em Viena começam poucos dias antes do Congresso Inter-sírio, organizado em Sochi, Rússia, por iniciativa de Moscou e Teerã, aliados do regime de Damasco, e Ancara, que apoia os rebeldes. Estão convidados a participar "todos os principais atores regionais e internacionais", incluindo os curdos, apesar da reticência da Turquia.Segundo Moscou, foram enviados mais de 1.600 convites.Frente a preocupação de várias chancelarias ocidentais, o Kremlin assegurou que sua iniciativa não era para competir com o processo de Genebra e sim "buscava complementar de forma eficaz essa reunião com resultados concretos".burs-stu/kjl/es-jz/mb/cb

Escrito por:

AFP