Publicado 04 de Janeiro de 2018 - 21h50

Por Estadão Conteúdo

O presidente francês, Emmanuel Macron, pediu nesta quinta-feira (4) aos países ocidentais que se envolvam mais na guerra da Síria, afirmando que o conflito não pode ser resolvido unicamente com "algumas quantas" potências estrangeiras.Além disso, anunciou que convidará 80 dirigentes para celebrar o centenário do fim da I Guerra Mundial, em 11 de novembro, uma "ocasião para refletir sobre a organização do mundo".A declaração do presidente francês coincidiu com os preparativos de Rússia, Turquia e Irã do "congresso de diálogo nacional" sobre a Síria que será celebrada este mês em Sochi, às margens do mar Negro, uma iniciativa à margem dos diálogos de Genebra, auspiciadas pela ONU.Macron disse que a comunidade internacional não deveria "dar terreno a certas potências que acreditam que só alguns quantos, reconhecendo uma parte da oposição de fora, serão capazes de encontrar uma solução estável e duradoura para a situação na Síria". "Neste contexto, as Nações Unidas, as potências regionais, a Europa e os Estados Unidos têm uma grande responsabilidade, e estou plenamente determinado [...] a ter êxito construindo a paz na Síria", afirmou ante o corpo diplomático em Paris.Na sexta-feira, Macron tem prevista uma reunião com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que apoia os rebeldes que combatem o presidente sírio, Bashar Al Assad, enquanto Moscou e Teerã apoiam o regime sírio.Macron também afirmou que é preciso impor a paz no Iraque e na Síria urgentemente para evitar qualquer ressurgimento dos ataques extremistas, agora que o grupo jihadista Estado Islâmico foi derrotado "militarmente". Além disso, afirmou que a França tentará iniciar um diálogo com o Irã para controlar sua atividade balística e completar o acordo nuclear iraniano, que o presidente americano, Donald Trump, ameaça denunciar, através de um "acordo-marco" sobre sua influência regional, julgada expansiva demais do Líbano ao Iêmen, passando pelo Iraque e pela Síria.Em alusão aos protestos que sacudiram o Irã nos últimos dias, Macron disse que a França "continuará vigiando que estes direitos [de liberdade de opinião e de manifestação] sejam plenamente respeitados". Mas insistiu em que qualquer decisão sobre o futuro do país deverá vir "dos próprios iranianos".

Escrito por:

Estadão Conteúdo