Publicado 04 de Janeiro de 2018 - 10h20

Por Estadão Conteúdo

Novas mobilizações pró-regime eram realizadas no Irã nesta quinta-feira (4), um dia após o governo declarar o "fim da sedição", na esperança de concentrar as atenções nas demandas econômicas, o ponto de partida dos protestos.Depois de vários dias de agitação, a capital Teerã e a maioria das cidades provincianas tiveram uma segunda noite tranquila.A imprensa e redes sociais não relataram distúrbios noturnos, embora imagens de mobilizações esporádicas em localidades menores tenham sido publicadas sem verificação.Esta manhã, a televisão iraniana exibiu imagens de novas grandes manifestações em apoio ao governo nas cidades de Isfahan (centro), Mashhad (nordeste), Orumieh (noroeste), Babol e Ardebil (norte)."Estamos todos unidos com o guia", o aiatolá Ali Khamenei, entoavam esses manifestantes, de acordo com imagens da televisão estatal.Os manifestantes também gritavam "morte à América", "morte a Israel" e "morte ao monafegh" (hipócrita em persa), termo utilizado pelas autoridades para designar os Mudjahedines do Povo, principal grupo de oposição no exílio, proibido no Irã.Já na quarta-feira, dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram em vinte outras cidades provinciais para apoiar o poder e denunciar a violência dos protestos que se estenderam por uma semana.As autoridades acusam "grupos contra-revolucionários" e os Mudjahedines do Povo de tirar proveito das manifestações "legítimas" da população contra as dificuldades econômicas para criar problemas.O exército de elite iraniano, a Guarda Revolucionária, proclamou na quarta-feira o fim deste movimento descrito como "sedição". Iniciado em 28 de dezembro em Mashhad (nordeste), a segunda maior cidade do país, foi o maior movimento de contestação desde 2009 no Irã.De quinta a segunda-feira à noite, 21 pessoas morreram - a maioria manifestantes - e centenas foram presas, incluindo 450 em Teerã, segundo dados oficiais.- Interferência americana -Teerã também acusou os Estados Unidos e a Arábia Saudita, seu rival regional, de atiçar os agitadores, apoiando protestos violentos.O Irã denunciou ao Conselho de Segurança da ONU e ao seu secretário-geral, Antonio Guterres, uma "interferência" em seus assuntos internos."Nos últimos dias, a administração americana (...) aumentou suas intervenções de forma grotesca nos assuntos internos do Irã com o pretexto de apoiar manifestações", afirmou o representante iraniano na ONU, Gholamali Khoshroo.Desde o início da contestação, Donald Trump tem expressado apoio à causa dos manifestantes e condenado o regime. A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, pediu reuniões de emergência do Conselho de Segurança e do Conselho de Direitos Humanos.Um alto funcionário da administração americana afirmou que novas sanções poderiam ser impostas a Teerã por "violações" dos direitos humanos, atos de censura ou obstrução da liberdade de manifestação.- "Problemas econômicos" -A classe política no Irã - reformistas e conservadores - se posicionou contra a violência, enfatizando a necessidade de encontrar uma solução para os problemas econômicos, principalmente o desemprego, que atinge 30% dos jovens.Embora as queixas econômicas tenham contribuído amplamente para esses movimento de protesto, as reivindicações políticas não tardaram a surgir."A principal demanda das pessoas às autoridades e ao governo é que resolvem os problemas econômicos", apontou na quarta-feira Ali Akbar Velayati, conselheiro do guia supremo para assuntos internacionais, citado pela agência Isna.Reeleito em maio passado, o reformista Hassan Rohani prometeu, logo que se tornou presidente em 2013 trabalhar para melhorar a situação econômica e social, uma esperança alimentada pelo acordo nuclear assinado em 2015 e o levantamento de algumas sanções internacionais.Mas o encarecimento do custo de vida e o desemprego não pararam de alimentar as frustrações.O Parlamento, que revisa o orçamento para o próximo ano fiscal (março de 2018 a março de 2019), já rejeitou os aumentos de impostos que o governo queria adotar, incluindo um aumento de 50% no preço da gasolina.sgh/gk/mr

Escrito por:

Estadão Conteúdo