Publicado 04 de Janeiro de 2018 - 9h10

Por Estadão Conteúdo

O escritor israelense Aharon Appelfeld, uma das vozes mais importantes da literatura judia e sobrevivente do Holocausto, morreu na noite de quarta-feira, aos 85 anos.Sua obra, dedicada em grande parte à vida dos judeus na Europa antes e durante o Holocausto, foi traduzido para vários idiomas.Aharon Appelfeld nasceu em 1932 em uma localidade perto de Czernowitz, uma cidade romena que hoje se localiza na Ucrânia. Sua mãe foi assassinada pelos nazistas e ele foi deportado com seu pai para um campo de concentração.Escapou em 1942 e sobreviveu em uma floresta, adotado por um bando de criminosos ucranianos.Recolhido posteriormente pelos soviéticos, trabalhou como ajudante de cozinha durante meses para o Exército Vermelho. Em 1946, imigrou para a Palestina quando estava sob mandato britânico."Ninguém queria órfãos na Europa. O único lugar para o qual se podia ir era a Palestina", contou, em uma entrevista à AFP em 2010.Em Israel, em 1957, Aharon Appelfeld se reencontrou com seu pai, que também sobreviveu à barbárie nazista.Seu primeiro livro, "Ashan" ("Fumaça"), foi publicado em 1962 e seguiram-se mais de 40 obras. Em sua autobiografia, "História de uma vida" (1999), conta como sobreviveu ao Holocausto.O escritou recebeu prêmios em todo o mundo, como o Prêmio Israel em 1983 e o Prêmio Medicis francês, em 2004.Aharon Appelfeld rejeitava o apelido de "Escritor do Holocausto", apesar de ter dado uma voz aos que não sobreviveram."Não se pode ser um escritor da morte. A escrita supõe que a pessoa esteja vivo", afirmou.Era amigo do escritor americano Philip Roth, que o converteu em personagem de seu romance "Operação Shylock".mib/mer/ra/pc/cn

Escrito por:

Estadão Conteúdo