Publicado 25 de Janeiro de 2018 - 21h27

Por Delma Medeiros

Cândida Augusta Reginato, compositora de 'Carnavais de 50' vai defender a música no festival de marchinhas do Tonico?s Boteco

Dominique Torquato/AAN

Cândida Augusta Reginato, compositora de 'Carnavais de 50' vai defender a música no festival de marchinhas do Tonico?s Boteco

O tempo não pesa para a professora aposentada Cândida Augusta Reginato. Pianista, poetisa e compositora, aos 84 anos ela mostra uma energia admirável e acaba de obter um reconhecimento de seu talento. A marchinha 'Carnavais de 50', de sua autoria, foi selecionada para a final do segundo Festival Tonico’s Boteco de Marchinhas de Carnaval, em Campinas.

A produção artística de Cândida é herança de família. Ela é neta de Benedito Sampaio, conhecido professor do antigo Colégio do Estado, atual Culto à Ciência, sobrinha dos professores Francisco Ribeiro Sampaio, fundador da Academia Campinense de Letras (ACL), e Quinita Ribeiro Sampaio, escritora e membro da mesma academia, e filha do professor João Fiorelo Reginato e da compositora Maria Regina Sampaio Reginato — ambos dão nome a ruas da cidade.

“Sempre gostei de compor e escrever poesia, desde criança. A música me vem à cabeça e já anoto para não esquecer. Vendo meu interesse, meu avô me ensinou a métrica da poesia. Toda minha família sempre foi ligada à música e a poesia”, diz Cândida, que como pianista fez concerto no extinto Teatro Municipal de Campinas e em salas em São Paulo, até interromper a carreira ao se casar.

Ela conta que no ano passado soube do Festival de Marchinhas e tentou participar, mas as inscrições haviam se encerrado. “Fiquei atenta este ano e me inscrevi a tempo. E fui classificada para a finalíssima, uma grande honra”, afirma. “Gosto do que é puro, genuíno e o festival teve como tema resgatar a inocência dos carnavais de outrora”, coloca Cândida, se preparando para a grande final, em 6 de fevereiro.

“Fiz tudo nessa marchinha: a introdução, a letra, a música e até o cantor”, brinca, em referência a seu filho mais velho, Ricardo Reginato, que defende a música no festival.

Cândida conta que, depois dos filhos crescidos (ela tem mais três além de Ricardo: Marlene, Cristina e Renata), voltou a estudar teclado. “Foi nessa época, já madura, que aumentei minha produção musical. Faço todo gênero de música: clássico, popular, canções, valsas, sambas... e marchinhas”. E ainda encontra tempo para aos oito netos — sete biológicos e um “do coração”.

Cândida afirma que não gosta de ficar parada. “Gosto de estudar, de ocupar a mente.” Ela já aprendeu alemão e atualmente faz aulas de italiano, inglês, teclado e canto, além de compor. “Ser classificada já equivale a um prêmio. Participar do festival foi uma forma de mostrar a música, caso contrário ficaria na gaveta”, conclui a compositora.

Sem disfarçar o orgulho que tem da mãe talentosa, Marlene Reginato Hoffman afirma que Cândida “tem um valor que merece ser reconhecido. Ficamos todos emocionados ao ver sua música classificada”.

Cerca de 30 compositores se inscreveram para o segundo Festival Tonico’s Boteco de Marchinhas de Carnaval. Desses, doze são classificados para a final. Segundo o organizador do evento, Alex de Freitas, o “Mortão”, Cândida é a compositora mais longeva a participar do festival. “Já tivemos compositores na faixa de 65 a 75 anos, mas acima de 80 é a primeira vez”, diz Freitas. “E é linda a música dela, muito boa mesmo.”

AGENDE-SE

O quê: Festival Tonico's Boteco de Marchinhas de Carnaval

Quando: 30/1 (eliminatória); 6/2, às 21h

Onde: Tonico’s Boteco (Rua Barão de Jaguara, 1.373, Centro, fone: 3236-1664)

Quanto: R$ 15,00

CANTE JUNTO

'Carnavais de 50', de Cândida Augusta Reginato

Vou resgatar os carnavais de outrora

Quando a marchinha era a rainha do salão

Mamãe eu Quero, Jardineira, Aurora

Pegando fogo em cada coração

Tantos pierrôs e tantas colombinas

Lança-perfume, confete e serpentinas

Mas de repente, alguém enrubescia

Quando Arlequim a um beijo se atrevia.

Carnavais de 50

De um tempo que já não volta mais

Hoje só se comenta

Saudade daqueles carnavais

Escrito por:

Delma Medeiros