Publicado 25 de Janeiro de 2018 - 23h18

Por Jaqueline Harumi

Hospital deverá ter 240 leitos, mas entrega de todos eles será gradativa

Leandro Ferreira/AAN

Hospital deverá ter 240 leitos, mas entrega de todos eles será gradativa

As obras de reforma e ampliação do Hospital Municipal de Paulínia devem ser concluídas e entregues à Secretaria Municipal de Saúde até o fim do próximo mês, segundo o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Valdir Terrazan. Se o prazo for cumprido, será um atraso de dois meses em relação ao prometido pelo prefeito Dixon Carvalho (PP) em novembro e de mais de um ano em relação às expectativas do governo anterior, de José Pavan Júnior (PSDB), que prometeu a princípio a entrega em maio de 2016 e depois em outubro do mesmo ano.

Na primeira quinzena deste mês, foram concluídos os serviços na parte interna do hospital e, na última semana, teve início a fase final de execução do projeto, sendo que agora os fiscais da Secretaria finalizariam os testes dos sistemas elétrico e hidráulico e de aparelhos como chuveiros, réguas de gás medicinal e lâmpadas de emergência.

“Já estamos trabalhando na revitalização da parte externa do hospital, e concluindo as calçadas e o acesso principal”, informou Terrazan. Após avaliação, será emitido o Termo de Recebimento Provisório e, seguindo a legislação, após 90 dias será entregue à construtora o Termo de Recebimento Definitivo.

“Após o recebimento das obras, a Secretaria de Saúde dará início à instalação de mobiliários e equipamentos para inaugurar gradativamente todas as novas alas”, informou o secretário de Obras.

O hospital terá 240 leitos, no entanto a utilização deles será feita de maneira gradativa, conforme a demanda, segundo a Secretaria de Saúde, que estima disponibilizar 114 leitos até o fim do ano. Entre as novidades da ampliação estão as alas de psiquiatra e cuidados paliativos, além da ampliação das alas de pediatria, ginecologia, cirurgia geral, ortopédica, vascular e urologia - inaugurada há dois meses.

Problemas

O prédio do hospital foi inaugurado em novembro de 2014. No entanto, há cerca de três anos o então secretário municipal de Saúde Ricardo Carajeleascow havia revelado que a unidade foi entregue pela gestão anterior com 96 dos 110 leitos que possuía, dos quais apenas 67 estavam em funcionamento, sendo que quartos de internação estavam sendo usados como copa.

Carajeleascow afirmou também que havia 80 contratos vencidos, todos com falta de pagamento, totalizando aproximadamente R$ 1,4 milhão, e os fornecedores foram chamados para negociação. À época, a reportagem não obteve posicionamento de Pavan Júnior sobre os problemas apontados.

 

Escrito por:

Jaqueline Harumi