Publicado 05 de Janeiro de 2018 - 0h00

Por Carlo Carcani Filho

A série de colunas sobre o desempenho dos atletas de Guarani e Ponte Preta em 2017 termina hoje com uma análise dos melhores jogadores do Bugre na temporada passada. O repórter Carlos Rodrigues fez um levantamento — publicado pelo Correio no domingo — com os atletas de cada time que jogaram por mais tempo, marcaram mais gols, fizeram mais assistências e receberam mais cartões durante o ano passado.

Apenas dois jogadores do elenco bugrino apareceram entre os seis primeiros nos quesitos minutos em campo, gols e assistências. E, como diz o provérbio, “os números não mentem jamais”.

Bruno Nazário (4º que mais atuou, com 3.735 minutos, 3º artilheiro com 7 gols e líder em assistências, com 6) e Fumagalli (6º que mais atuou, com 3.177 minutos, vice-artilheiro com 8 gols e 2º em assistências, com 4) foram os melhores jogadores do Guarani em 2017.

Com 40 anos e oito temporadas vestindo a camisa do Guarani, Fumagalli é um ídolo da torcida. Também recebe críticas daqueles que olham só para sua idade e a mobilidade, que, evidentemente, não é a mesma de outros tempos.

Há tempos o Guarani procura e não encontra um camisa 10 que possa substituir Fumagalli. Das oito temporadas pelo Bugre, ele foi o artilheiro do time em sete. Só agora, no ano passado, quando foi poupado em várias partidas e chegou a ser reserva, ficou em segundo lugar, com um gol a menos do que Eliandro.

E mesmo com 40 anos e menos jogos, Fumagalli continua sendo uma referência para o clube. Não é ídolo apenas por sua história e pelos 89 gols que já marcou pelo Bugre, mas também porque ainda é decisivo.

Fumagalli teve participação direta em 12 gols do time em 2017. Apenas Bruno Nazário, com 13 (7 gols e 6 assistências), o superou. Nazário tem o perfil ideal de um “substituto” para o capitão bugrino.

Com 22 anos e passagens — ainda que curtas — por clubes como Cruzeiro e Hoffenheim, ele foi uma das melhores contratações do clube no ano passado.

A sua permanência no Brinco de Ouro para a Série A2 foi uma conquista importante da diretoria. Mais ambientado ao clube e com sua qualidade, Nazário pode ser uma peça importante em um elenco que precisa chegar à final para reconduzir o Guarani ao Paulistão.

Nos últimos quatro anos, o Bugre sequer passou da primeira fase. Vamos ver se consegue mudar esse cenário em 2018, com o talento e a experiência de Fumagalli e o talento e a juventude de Bruno Nazário.

Escrito por:

Carlo Carcani Filho