Publicado 02 de Dezembro de 2017 - 20h33

Por Letícia Guimarães

Funcionários do Ouro Verde estão em greve por tempo indeterminado: nova assembleia será feita segunda

Patrícia Domingos/AAN

Funcionários do Ouro Verde estão em greve por tempo indeterminado: nova assembleia será feita segunda

Médicos, enfermeiros e demais profissionais da área da saúde que trabalham no Hospital Municipal Ouro Verde seguem em greve até, pelo menos, segunda-feira. Essa foi a decisão acertada em assembleia realizada sábado pelo Sindicato dos Médicos de Campinas e Região (Sindimed), Sindicato da Saúde de Campinas e Região (Sinsaúde) e o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (SEESP). 

Eles iniciaram a paralisação por tempo indeterminado na sexta-feira e se queixam dos salários atrasados dos médicos prestadores de serviço; depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) atrasado para os médicos e enfermeiros que atuam em regime de CLT; desconto do INSS sem o devido repasse e atraso no pagamento da primeira parcela do 13º salário.

De acordo com representantes dos três órgãos, as categorias não aceitam a proposta feita pela Prefeitura em reunião na tarde de sexta-feira. A oferta feita é de que os funcionários recebam o salário de novembro no dia 6 de dezembro, enquanto o 13º cairá integralmente no dia 12. O valor a ser pago para os médicos prestadores de serviço ainda serão apurados, mas a intenção é que seja pago no dia 15 de dezembro.

A respeito das queixas de salários atrasados e benefícios trabalhistas, a Prefeitura informou que o momento é uma fase de transição e todos os processos serão avaliados oportunamente.

A prioridade é pagar os salários, garantir os insumos e manter a asssistência. Já sobre a rejeição da proposta de pagamento, o presidente do Hospital Municipal Mário Gatati, e que agora é responsável também pelo Ouro Verde, Marcos Pimenta, explica que é a solução possível para o momento, dentro da legalidade. “Eu entendo que a proposta é limítrofe, tudo foi colocado de forma transparente. Como tudo aconteceu de forma muito rápida, estamos avaliando o que vai ser feito com essa rejeição. Estamos tentando resolver uma situação de impasse que foi deixada pela antiga empresa (Organização Social Vitale, que administrava o Hospital), que deveria ter feito a sua parte. A prefeitura entende que cumpriu com as obrigações contratuais e repasses, e não justifica esses atrasos” , finalizou

Atendimento

Enquanto isso, o atendimento no Ouro Verde segue apenas para urgências e emergências. "Estamos trabalhando para que as negociações avancem o mais rápido possível e para que o atendimento à população do Ouro Verde seja restabelecido" , ressaltou Casemiro Reis, presidente do Sindicato dos Médicos de Campinas e Região (Sindimed).

A assessoria de imprensa da Prefeitura afirmou que não conseguiu contato com o secretário de Relações Institucionais, Wanderley de Almeida, que está respondendo pela junta de intervenção, para comentar sobre o assunto, e informou que não é possível dar detalhes aidna sobre a equipe, que ainda está sendo acertada.

Escrito por:

Letícia Guimarães