Publicado 05 de Janeiro de 2018 - 6h00

Por Do Correio

Engenheiros Agrônomos contratados, do Instituto Brasileiro do Café, com sede junto às Cooperativas de Café de Estado de São Paulo, frequentam curso de conservação do solo

Reprodução

Engenheiros Agrônomos contratados, do Instituto Brasileiro do Café, com sede junto às Cooperativas de Café de Estado de São Paulo, frequentam curso de conservação do solo

MOTIM NO NAVIO "ANTARTIC"

Cerca de quarenta marinheiros chineses do cargueiro britanico "Antartic" amotinaram-se contra seu comandante recitando pensamentos de Mao Tse Tung, quando o referido navio efetuava uma escala em Havana, indicou-se hoje em Londres. O comando do referido navio era exercido pelo capitão John Kerbison, de Popleton, Yorkshire, o qual conseguiu refugiar-se na capital cubana, depois de ter sido retido durante mais de duas horas pelos tripulantes. Um porta-voz do Ministério britanico de Relações Exteriores declarou que o referido incidente ocorreu há quatro dias, segundo um ifnorme recebido aqui.

 

CURSO CONSERVACIONISTA PARA AGRÔNOMOS

Catorze Engenheiros Agrônomos contratados, do Instituto Brasileiro do Café, com sede junto às Cooperativas de Café de Estado de São Paulo, frequentam curso de conservação do solo promovido pelo Centro de Treinamento Básico de Conservação do Solo - Divisão de Conservação do Solo - Campinas. No curso, com duração de quatro semanas, estão sendo ministrados conhecimentos teóricos e práticos de Levantamento e Planejamento Conservacionista. No levantamento Conservacionista os técnicos aprendem fazer o inventário do meio físico (solo, água, uso atual, estradas, etc.), do meio econômico e do meio social. Este inventário lhes fornece informações básicas para o estabelecimento de um plano racional de exploração da propriedade, tendo sempre em mira, fundamentalmente: obtenção de máximos rendimentos com o uso adequado do solo.

 

RENOVAÇÃO DO CINEMA IUGOSLAVO

Em 10 meses, neste ano, o cinema iugoslavo recebeu mais prêmios do que nos últimos 10 anos, destacando-se os nomes de A. Petrovic, Purisa Djordjovic e Dusan Makavejov. Inicialmente, o desenho animado, da chamada "escola Zagreb", bem como os "curtos" iugoslavos, conseguiam boa aceitação no exterior, enquanto o longa-metragem era rejeitado pelo convencionalismo dos temas, inspirados no romantismo e nas intermináveis crônicas de guerra. Influenciados pela "nouvelle vague", procuraram fugir à linha rotineira.

Escrito por:

Do Correio