Publicado 25 de Julho de 2016 - 18h43

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Carlos Rodrigues

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O Guarani ainda passa por transformações na Série C do Campeonato Brasileiro. Apesar da melhor campanha e liderança com folga no Grupo B, o técnico Marcelo Chamusca já disse que procura o melhor time e espera mais reforços, mas os últimos jogos, e sobretudo a vitória por 1 a 0 sobre o Guaratinguetá, serviram para mostrar que a força do elenco é um dos motivos do time viver esse momento.

A partida do último domingo reflete bem isso. Em comparação à equipe que estreou diante do mesmo Guaratinguetá, eram cinco titulares diferentes. Dois deles (Alex Santana e Marcinho) começaram uma partida pela primeira vez. Além disso, foi do banco de onde saiu o meia Renato Henrique, autor do gol que definiu mais um resultado positivo.

O treinador bugrino destacou esse aspecto e comentou a importância de ter opções que mantenham o nível de atuação da equipe. “É fundamental contar com um elenco qualificado. Você não chega na condição em que chegamos e nem briga até o final da competição apenas com 11 jogadores”, afirma Chamusca. “O que me deixa satisfeito é que são jogadores de características diferentes. O Alex é um meia que foi adaptado a segundo volante e jogou bem, o Lenon ali na lateral deu bastante consistência pelo lado direito. Tem o Gilton, que ainda precisa melhorar no último terço, mas tem uma intensidade absurda. Estou satisfeito com todo o grupo”, completa.

O bom desempenho de quem entra aumenta as opções e também a competitividade no grupo. É o caso de Renato Henrique que, com o gol, ganhou alguns pontos, mas sabe que a disputa é ferrenha por um lugar no time.

“É uma disputa bastante sadia entre vários jogadores de qualidade. Quem só tem a ganhar é o Guarani, com tantas alternativas”, opina o meia. “Entrei bem, cumpri meu papel e vou continuar trabalhando para buscar meu espaço e deixar essa bronca com o treinador”.

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva