Publicado 25 de Julho de 2016 - 15h20

Por Alenita de Jesus

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Alenita

Um soldador de 39 anos que estava a cavalo morreu atropelado quando atravessa a Rodovia Jornalista Francisco Aguirre (SP-101) em Hortolândia, anteontem à noite. O atropelamento envolveu dois carros de passeio, cujos ocupantes sofreram lesões leves. Dirceu João Barbosa e o animal morreram no local.

O acidente aconteceu por volta das 19h20, no km 13 800 na altura do bairro Jardim Amanda. De acordo com a Polícia Rodoviária, o homem atravessa a rodovia com o cavalo em um trecho que não há guard rail e mureta no canteiro central. Ele estava na pista no sentido Campinas a Monte Mor e tentava passar para a pista do lado oposto. A tragédia aconteceu na faixa da esquerda. “O cavalo apareceu do nada, quando vi já estava em cima. Não deu tempo para frear. Pensei que não havia ninguém no cavalo”, contou o frentista Aberto Carlos dos Santos, que dirigia um Cobalt, o primeiro veículo envolvido no acidente. Santos voltava do trabalho.

O cavalo atingiu o vidro da frente e voou por cima do carro, caindo na pista. Santos parou a cerca de 20 metros do local. Um vendedor de 25 anos que estava em um Voyage e seguia logo atrás, também não conseguiu parar e atropelou o animal e em seguida bateu na traseira do Cobalt. Com o impacto, o Voyage capotou por duas vezes na pista e parou a cerca de 30 metros. Uma vendedora de 24 anos que estava no banco traseiro do veículo sofreu lesões no rosto e foi socorrida pelo resgate da Concessionária Rodovias do Tietê ao Hospital Estadual de Sumaré (HES), onde foi medicada e liberada.

O carro de Santos ficou destruído, mas ele não se feriu no acidente. “Graças a Deus não aconteceu nada comigo. O problema foi no meu carro”, disse.

Tanto o motorista do Voyage como o soldador são de Monte Mor. Moradores da região onde ocorreu o acidente afirmam que a travessia de cavaleiros pelo local é constante, especialmente nos finais de semana.

O acidente foi registrado como homicídio culposo em direção de veículo e lesão corporal. O vendedor, motorista do Voyage, fez teste etilômetro que constatou 0,33% de teor alcoólico por ar alveolar. O veículo foi recolhido.

Escrito por:

Alenita de Jesus