Publicado 22 de Julho de 2016 - 20h39

Por Shana Maria Maciel Pereira

Shana Pereira

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

As mudanças climáticas têm modificado a produção e plantio de alimentos em todo o Brasil. Durante os períodos de chuva ou de estiagem, temperaturas altas ou baixas tem causado perdas na agricultura e elevado os preços dos produtos. Especialistas que estudam o clima e produtores de diversas regiões do País discutiram o assunto no primeiro Encontro Anual Rural Clia – Perspectivas para a Safra 2016-2017, realizado na última quinta-feira.

De acordo com agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, os produtores sofreram com os estragos causados pela influência do fenômeno El Niño, que durou o ano passado ao primeiro semestre de 2016, e já se prepararam para a chegada da La Niña no segundo semestre, que também terá fortes impactos na produção agrícola e poderá influenciar os mercados de commodities. “O novo clima afetará as plantações, pois, vamos ter um inverno rigoroso e episódios de geada, como tivemos recentemente, onde afetou lavouras de laranja, café, hortaliças e feijão. E isso traz uma elevação nos preços dos produtos”, disse.

Segundo Santos este é momento de adotar atitudes e decisões assertivas e mitigar os riscos da produção que foram enormes no ano passado por conta do clima. “O objetivo desse encontro foi debater todas essas consequências que vamos ter na safra 16 e 17. Abordando com os produtores os impactos do clima na produção agrícola, tanto para a agricultura nacional quanto internacional”, afirmou.

Para o consultor André Pessôa, no segundo semestre de 2016 com a caracterização do fenômeno La Niña, tende ser ruim para Sul do Brasil e benéfico para o Nordeste, na produção de grãos. Ele explica também que a instabilidade do clima causará a incerteza de quanto será produzido na América Latina. “Quando olhamos a produção sul-americana, mesmo que não haja uma negativa do clima, nós vamos repetir pelo segundo ano consecutivo escassez de soja no mercado. E com menos oferta de produto, a tendência é de preços mais altos”, ressaltou. O evento foi organizado pela empresa do setor de agronegócio Agro Actually.

Escrito por:

Shana Maria Maciel Pereira