Publicado 21 de Julho de 2016 - 16h29

Por Alenita de Jesus

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Divulgação

Um autônomo de 23 anos está se passando por policial para extorquir frequentadores dos terminais de ônibus da região central de Campinas. Segundo policiais civis do 1º Distrito Policial (DP), Igor Ianni da Silva usando uniforme, colete e distintivos falsos comprados no camelô, aborda as vítimas alegando revista. Ele furta dinheiro, cartão de bilhete único e celular, com a justificativa de apreensão. Em alguns casos ele pega até bolsas e está agindo há pelo menos três meses. Segundo os policiais, existem ao menos 17 boletins de ocorrências que remetem a ação do suspeito. O autônomo já foi detido duas vezes, mas como as vítimas não acompanham a detenção, ele presta depoimentos e é liberado. Com ele já foi apreendido quatro rádios HT, além de bilhete único.

Para ter acesso livre nos terminais de ônibus, o homem, que segundo testemunhas sonha em ser policial, se apresenta para os fiscais como dono de uma empresa que presta serviços de vigilância para a Transurc. Já quando aborda os passageiros, se apresenta como policial. De acordo com uma testemunha que não quis ser identificada, o autônomo chega a contratar homens e mulheres para trabalhar como segurança nos terminais e durante a abordagem, ele pede auxílio para essas pessoas contratadas.

Em uma das abordagens no Terminal Central, segundo a testemunha, ele estava com um funcionário, que, mais tarde, descobriu que Silva era falsário. Este suposto funcionário chegou a procurar a empresa de segurança do terminal para reclamar da falsa contratação.

O autônomo foi identificado depois que o representante da empresa de segurança o flagrou abordando uma pessoa no Terminal Mercado.

O homem foi levado pela empresa para o 1º Distrito Policial, que abriu inquérito para investigar a ação do falsário. Ele foi indiciado por exercício ilegal da profissão. O delegado Hamilton Caviolla faz um apelo para que as vítimas do falso policial procurem a delegacia para prestar queixa. Só assim Silva poderá ser indiciado por estelionato e ter a sua pena aumentada.

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), disse que até a tarde de ontem não havia recebido nenhuma informação sobre tal ato praticado dentro das dependências dos terminais urbanos.”Todos os agentes da Mobilidade Urbana da Emdec trabalham uniformizados”, frisou nota.

A Transurc também informou que ainda não tinha sido notificada da ocorrência.

Escrito por:

Alenita de Jesus