Publicado 20 de Julho de 2016 - 15h55

Por Alenita de Jesus

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Patrícia

Sem condições financeiras e vivendo de forma precária em um pequeno barraco de madeira no Jardim Rosália 1, em Campinas, a dona de casa Cíntia Silva Gomes de 22 anos faz um apelo: deseja uma prótese. Ela perdeu parte da perna esquerda quando tinha 9 anos durante surfe em um trem. Na época ela morava ao lado da linha férrea no Parque Shalon e uma das brincadeiras da criançada do bairro era pular de vagão para vagão em movimento. No dia do acidente, ela não conseguiu pular o suficiente para atingir o outro vagão e caiu. A sandália ficou enroscada em um parafuso da dormente da linha e ela não conseguiu tirar o pé antes que a roda do trem a acertasse. Além de ter do joelho para baixo arrancado, parte da mão esquerda também foi decepada. “Só não morri porque meu irmão mais velho, o Cleberson, me achou e me socorreu”, contou. “Eu cai em um local escuro e perto do mato e ninguém viu. Gritei muito e ele me ouviu. Tive muita hemorragia e fiquei três meses em estado grave no Hospital Mário Gatti”, lembrou.

Atualmente ela usa uma muleta emprestada para se locomover. Sua primeira prótese foi quando tinha 12 anos, presente do Hospital Boldrini. Mas com o muito uso e o fato de crescer e engordar acabou quebrando o equipamento. Depois de um certo tempo, ela conseguiu junto a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) de São Paulo uma segunda prótese, mas durou cerca de um ano. “O silicone e a meia rasgaram”, justificou.

Há dois anos ela tenta nova prótese, mas sem sucesso. Cíntia é mãe de três filhos – de 8, 3 e um ano e nove meses, o mais velho mora com a avó materna – e vive com a mãe e dois irmãos. Para ajudar em casa, ela e a mãe, Eliane de 47 anos, catam reciclado. Como não tem com que deixar Kelvin e Kauã Henrique Dantas, um ano e nove meses e três anos, respectivamente, na época das férias, elas levam as crianças. Para ajuda a mãe, ela usa uma das mãos para apoiar a muleta e a outra para empurrar a carroça. Elas chegam a caminhar mais de 10 km por dia. “Se tivesse a prótese seria bem melhor. Já não aguento mais carregar o meu menino pequeno, pois ele está ficando pesado”, justificou.

Na época de aula, ela caminha quase três quilômetros para deixar os filhos na creche. Quando eles não estão na carroça, Cíntia encaixa um deles no quadril direito e sai a pé. Kauã vai a pé, ao lado.

Escrito por:

Alenita de Jesus