Publicado 19 de Julho de 2016 - 18h33

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Carlos Rodrigues

Da Agência Anhanguera

[email protected]

A melhor campanha da Série C do Campeonato Brasileiro não é o único ponto alto do Guarani após o final do primeiro turno. Além dos 18 pontos, que garantem ao time a liderança isolada de seu grupo, o Bugre se destaca também em outro aspecto: o fair play. Com poucas advertências, o alviverde é, por enquanto, a equipe mais disciplinada de todo o torneio.

Em nove rodadas, foram apenas 11 cartões amarelos e nenhuma expulsão. Nesse ranking, aparecem na sequência o Fortaleza e a Portuguesa — ambos com 14 amarelos e um vermelho.

Além dos números, os motivos dos cartões também mostra um time que se preocupa mais em praticar futebol do que fazer o anti-jogo. Das 11 advertências, quase metade delas não envolveu nenhum contato com os adversários. Três delas foram por toques de mão na bola, duas por reclamação e uma por retardar o jogo.

A postura dos jogadores é elogiada pelo técnico Marcelo Chamusca, que garante ter a questão disciplinar como uma das preocupações. “Sempre converso com os atletas de que não podem ficar gastando energia com a arbitragem. Peço para não reclamarem, nem questionarem, só se preocuparem em jogar futebol e superar o adversário”, comenta o treinador, que sabe que também precisa dar sua contribuição. “Procura estudar a arbitragem e entendo que a liderança só existe através do exemplo. Por isso, evito reclamar para não ser expulso”, completa.

A medida vem dando bastante certo porque só agora, na 10ª rodada, o Guarani terá seu primeiro desfalque por suspensão. Será o atacante Pipico, que levou o terceiro amarelo — foram para ele todos os cartões por tocar a bola com as mãos — e não enfrenta o Guaratinguetá.

“É uma filosofia de trabalho que os jogadores assimilaram muito bem. Isso nos ajuda, tanto é que agora vamos ter uma ausência por isso”, comenta Chamusca. “Assim, posso pensar nas minhas outras preocupações. Disciplinarmente, meu time está bem educado”.

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva