Publicado 18 de Julho de 2016 - 19h11

Por Adagoberto F. Baptista

Foto: Arquivo

Gustavo Abdel

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Quatro anos após a abertura de sindicância para apurar o sumiço de 144 pranchas de madeira (cedro-rosa) que seriam utilizadas na reforma da Caravela Anunciação, na Lagoa do Taquaral, uma comissão da Prefeitura apontou para o então diretor do Departamento de Parques e Jardins (DPJ), Ronaldo de Souza, o Professor Ronaldo, como o responsável pelo suposto desvio do material, avaliado na época em R$ 44,6 mil.

A comissão optou pela demissão de Ronaldo, que hoje não faz mais parte do quadro de funcionário público. O processo de indenização por dano material movido pela Prefeitura pede a Ronaldo a devolução de R$ 50 mil aos cofres públicos, “valor dado à causa para efeitos meramente fiscais”, conforme documento de 19 de maio de 2016 assinado pelo procurador do município Edson Vilas Boas Orrú, e encaminhado à Vara da Fazenda Pública da Comarca de Campinas.

O acusado nega que tenha sido por responsabilidade dele o sumiço da madeira, e atribuiu à Coordenadoria das Administrações Regionais (Coar) da época, órgão que supostamente teria que ter encaminhado o material à Lagoa. No entanto, na documentação apresentada pela comissão de sindicância aponta que o ex-diretor teria atestado o recebimento das notas fiscais e supostamente assinado comprovantes de saída do madeiramento do almoxarifado da Prefeitura, na Vila Industrial.

No inventário do restauro, a Prefeitura havia identificado que as notas fiscais da mercadoria estavam assinadas por um funcionário do almoxarifado, confirmando o recebimento das madeiras. Mas a partir da assinatura de saída do material com destino ao canteiro de obras ninguém sabe até hoje sobre o paradeiro da pilha de madeira.

Eram 72 pranchas de 4,5 metros de comprimento por 30 centímetros de largura e outras 72 pranchas também de 4,5 metros de comprimento por 30 centímetros de largura e 4 centímetros de espessura. Esse material seria utilizado na parte superior da embarcação. A caravela foi reinaugurada em setembro de 2014, após seis anos de uma reforma arrastada.

Ronaldo afirma na época da reforma da caravela o material teria sido entregue na Coar, na Rua São Carlos, também na Vila Industrial, e que era de responsabilidade do órgão entregar as madeiras no Taquaral. Ele afirma que foi exonerado da Empresa Municipal de Desenvolvimento (Emdec) em 2013, onde ocupava um cargo em comissão. Ficou como suplente do vereador Gustavo Petta (PcdoB) quando este foi eleito deputado federal, e hoje está filiado ao PDT, mesmo partido do ex-prefeito cassado Hélio de Oliveira Santos.

De acordo com o seu advogado, Gustavo Boccaletti, a apresentação da defesa de Ronaldo já havia sido feita à comissão de sindicância, que entendeu pela pena de demissão. Boccaletti informou que se manifestará juridicamente assim que receber qualquer notificação, o que segundo ele não aconteceu até o momento.

Box - A embarcação é uma réplica da Anunciação, barco que trouxe Pedro Álvares Cabral às terras brasileiras em 1500 e desde 1972 está no Parque Portugal, uma das principais áreas de lazer da cidade.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista