Publicado 13 de Julho de 2016 - 18h36

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

O Guarani vive um momento de ‘desequilíbrio’. Enquanto a defesa, com apenas três gols sofridos, é a melhor da Série C do Campeonato Brasileiro, o ataque sofre com o jejum de gols que já dura três partidas. Mas, entre o elenco, impera o sentido coletivo de equipe. Para os jogadores, a culpa deve ser dividida entre todos e, só como um grupo, o time será capaz de reagir.

O lema de que ‘todo mundo vence e todo mundo perde’ é destacado pelo goleiro Leandro Santos, um dos únicos destaques do Bugre nas últimas partidas. “O time tem se dedicado bastante. A gente fala de defesa menos vazada, mas não é só mérito do goleiro ou dos zagueiros”, aponta. “Nós ali de trás também nos colocamos como culpados pela derrota. Não é só um ou outro que falha, é todo mundo. E é todo mundo que fará o Guarani reagir”, completa o camisa 1.

Para o goleiro, o time tem sofrido com a falta de confiança para colocar em prática tudo o que trabalha na semana. “Os treinos são muito bons, todo mundo entende o que o professor pede, mas na hora do jogo não está saindo”, admite. “Talvez seja o momento de acreditar mais, confiar mais. E isso é algo que não se treina, cada um tira de dentro de si”.

O volante Auremir tem raciocínio semelhante. O jogador explica que o apoio precisa ser mútuo dentro de campo. “Da mesma forma que os atacantes nos ajudam na parte defensiva, nós temos que tentar auxiliar um pouco mais”, afirma, exaltando também a questão da confiança. “O segredo é continuar trabalhando firme e cada um dando apoio um ao outro. Ninguém aqui desaprendeu a jogar futebol”, finaliza.

Ingressos

Já estão a venda os ingressos para a partida de domingo, 11h30, contra o Ypiranga-RS. Até sexta-feira, o torcedor pagará preço único de R$ 20 pela entrada na cabeceira. No sábado e no dia do jogo, o preço volta a ser de R$ 40 e R$ 20. No setor abaixo do tobogã, são limitados mil ingressos a R$ 40 e R$ 20, também vendidos antecipadamente. (Carlos Rodrigues/Da Agência Anhanguera)

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva