Publicado 23 de Julho de 2016 - 19h05

A Cooperativa Artística Ungambikkula estreia seu mais novo espetáculo, Yròkò e As Armadilhas do Tempo. Raro e muito respeitado, Yròkò, é um orixá antigo que governa o tempo e tem como símbolo uma grande árvore, a primeira plantada e pela qual todos os outros orixás desceram à terra. “Assim o Yròkò se tornou o guardião da ancestralidade e de todas as árvores”, explica Saraswati Dassi, integrante do grupo que se autodenomina “Tribo do Futuro” e cujos membros adotaram nomes em sânscrito. O espetáculo é uma criação coletiva, com direção de Pavitra Shakti Shankar, presidente da cooperativa. Como é marca registrada do grupo, o show reúne diversas linguagens artísticas, envolvendo atores, músicos, bailarinos e vídeos. A escultura em 3D de uma árvore em tecido branco dá o tom onírico ao espetáculo e propõe ao espectador um mergulho no universo do orixá. A árvore acolhe os oito músicos, nesse espaço onde são interpretadas as canções. O espetáculo traz como convidada a bailarina Ló Guimarães, e apresenta performances coletivas e individuais dos integrantes.

As composições do espetáculo são dos membros da cooperativa e fazem alusão a diversas tribos, ritmos e idiomas do mundo, desencadeando e conduzindo o público a estados e reflexões profundas. A música híbrida é cantada na língua indígena norte-americana, em chinês, francês e português, com referências africanas. “A proposta é reverenciar a sacralidade de todos os povos”, diz Saraswati. O espetáculo entra em temporada no espaço cultural do grupo, para uma série de apresentações. Além da apresentação de hoje, já está agendada a próxima, para o dia 30 de julho, às 20h30. (Delma Medeiros/Da Agência Anhanguera)