Publicado 23 de Julho de 2016 - 5h30

Depois de muitas conversas e articulações, a definição das coligações para a disputa da Prefeitura de Campinas começa a sair do papel. A temporada de convenções partidárias foi aberta ontem, com o encontro municipal do PSOL para sacramentar a pré-candidatura de Marcela Moreira. Neste fim de semana, sete legendas realizam a convenção para homologar as alianças e a chapa de vereadores. Os encontros de PPS, PSC e PV acontecem hoje e as convenções de PSDB, PTB, PMB e PCdoB estão marcadas para amanhã. Na próxima semana, pelo menos 12 partidos agendaram reuniões dos diretórios. O prazo estipulado pela Justiça Eleitoral para as convenções municipais termina no dia 5 de agosto.

As convenções partidárias que serão realizadas neste final de semana não devem reservar nenhuma surpresa. Os sete partidos fazem parte da coligação do prefeito Jonas Donizette (PSB) e os encontros deverão apenas oficializar a aliança. A expectativa fica por conta do PSDB, que poderá definir na convenção o nome do candidato a vice-prefeito na chapa de Jonas. O partido admite que estuda três opções para o cargo. Além do atual vice, Henrique Magalhães Teixeira, os outros dois nomes na disputa são o advogado Flávio Henrique Pereira, ex-secretário de Gestão e Controle, e Paulo Sabioni, o Periquito, secretário de Esportes de Valinhos. A decisão pode sair na convenção de amanhã. Embora Henrique tenha ganhado força nos últimos dias e conte com a preferência de Jonas, existe a possibilidade de a decisão ser postergada. “É uma conversa boa, ninguém está preterindo o Henrique. Temos que chegar num consenso e dar espaço para todos. A definição pode não acontecer domingo (amanhã), mas pelo menos até o dia da convenção do PSB (dia 31) tem que sair.”

Entre os dias 27 e 31, pelo menos 12 partidos realizarão as convenções partidárias. O Democratas agendou o encontro para o dia 27; PRB, PSD, PR marcaram para o dia 29; PDT, Rede, PMDB e PP fazem a reunião no dia 30; e PSB, PSDC e PPL realizam a convenção partidária no dia 31. Além do PSB de Jonas, PT, PSD, PDT e Rede terão candidaturas próprias a prefeito. PT e PSD vão concorrer com Marcio Pochmann e Artur Orsi, respectivamente, mas ainda não definiram os nomes dos candidatos a vice. Já a Rede terá Surya Guimaraens como candidata a prefeita e Guilherme Oliveira, vice. O PDT garante que terá nome próprio, mas ainda não anunciou o pré-candidato. Apesar de inelegível, o ex-prefeito Hélio de Oliveira Santos não esconde a intenção de concorrer.

O PT e o PSD deverão definir ainda os partidos que irão compor a coligação. Isolado, o PT deverá ter chapa pura e partidos considerados pequenos na coligação. O PSD esperava contar com o PMDB em sua coligação, apostando numa articulação encabeçada por caciques estaduais e nacionais das legendas. Porém, o diretório municipal do PMDB defendia a manutenção da aliança com Jonas e a vontade dos dirigentes locais deve prevalecer. Com a decisão, o PSD também deve contar apenas com partidos pequenos em sua coligação.