Publicado 21 de Julho de 2016 - 5h30

A contribuição para o meio ambiente não tem cara, coração, condição financeira e muito menos idade. O que importa é fazer a parte e estar de bem com a consciência. No Recanto dos Velhinhos de Valinhos, o trabalho mostra que a vontade vence qualquer barreira e dribla as dificuldades. Mas são nas sessões de terapia ocupacional, que os abrigados fazem valer seu papel de cidadão. Segundo Camila Marchiore Jorge Antunes dos Santos, terapeuta ocupacional, são trabalhadas a parte motora e também a ambiental já que muitas das atividades incluem materiais que seriam jogados no lixo. “Trabalhamos tudo dentro das habilidades deles para não forçar e o uso de materiais recicláveis, além de baratos, são de fácil acesso e rendem variadas formas de uso. Em uma das atividades, foram produzidas com as caixas de leite longa vida, caixinhas para colocar os ovos de Páscoa. Eles produziram, personalizaram e ficaram orgulhosos do feito”, explica Camila.

Apesar de não ser uma ação rotineira, surte efeito positivo duradouro, uma vez que auxilia também na parte psicológica, deixando-os mais atentos e dispostos. Antigamente era comum observar na chegada um comportamento mais fechado com vontade de ver apenas TV e se recusar a fazer atividades. Com esse estímulo, a maioria agora chega cedo para a atividade e cobra se a aula atrasar. “Essa mudança no comportamento é um presente para nós que fazemos o acompanhamento. Vê-los mais ativos, dispostos e felizes, não tem preço”, acrescenta a terapeuta. As aulas, como são conhecidas, são abastecidas com materiais que são arrecadados na própria entidade, em campanhas nas mídias sociais e no boca a boca com amigos e familiares.

O formato e tipo de cada material ganha um tratamento diferente e os profissionais estão sempre em busca de novidades para diversificar, atrair e fidelizar cada vez mais esses alunos. Buscam na internet, um amigo indica e os próprios profissionais oferecem seus conhecimentos para incrementar as ideias. “Produzimos flores com papel higiênico e depois foi montado um painel com o filtro de café usado. A cor borrada do café em contraste com as flores deu um efeito bonito. Todos ficaram felizes e orgulhosos com cada feito. Dia a dia percebemos que a habilidade vai evoluindo, porém buscamos ficar dentro do planejado para manter essa adesão”, afirma Camila. Outra atividade que reaproveita materiais é a produção de fuxicos, que com a ajuda de uma professora de pintura voluntária, transformam retalhos em obras de arte. A lã vira o cabelo para adornar a pintura de um rosto e a garrafa de vidro se transforma em um elegante enfeite com o barbante envolto.

Para as festas temáticas, sempre que possível, são esses artesãos que ajudam na confecção dos adereços. Camila explica que além de ser uma atitude sustentável, trabalhar com recicláveis também os aproximou do objetivo que é mostrar a capacidade e habilidade de criar de cada um. “Não só serve de estímulo como também ajuda na redução do lixo gerado. Estou há nove anos aqui, porém a entidade já vem trabalhando essa questão há mais tempo. Ajudar o meio ambiente é natural aqui. Recolhemos e separamos o lixo, orientamos sobre a economia dos recursos naturais e desperdício”, diz a terapeuta que ainda acrescenta que o recolhimento dos lacres de latinhas de alumínio ajudam na aquisição de cadeiras de rodas que são indispensáveis para a instituição. Regularmente são feitas campanhas para a economia no uso de copo descartável para a caneca e a energia elétrica fica restrita apenas para o necessário.

[REMISSAO]nCONHEÇA

[REMISSAO]Endereço:[/REMISSAO] Rua João Bissoto Filho, 2061, Bairro das Ortizes, Valinhos.

Fone: (19) 3829-8181

Site: recantodosvelhinhos.com.br[/REMISSAO]