Publicado 19 de Julho de 2016 - 5h30

Ah! Como, realmente, é preciso ouvir o coração. Não sua linguagem corriqueira — como o simples bater de um relógio