Publicado 13 de Julho de 2016 - 5h30

Uma fábrica de balões foi fechada na manhã de ontem em Hortolândia pela Polícia Militar Ambiental de Campinas. Dois homens e um adolescente estavam trabalhando na confecção de um balão de cerca de 30 metros e foram encaminhados ao Distrito Policial de Hortolândia, no Jardim Rosolem. Foram multados em R$ 15 mil.

A fábrica funcionava em uma casa na Rua Tanhaçu, no bairro Jardim Nova América. No momento do flagrante, o balão estava sendo produzido em uma bancada, junto a armações para fogos de artifício. Os policiais chegaram ao local após uma denúncia anônima. “A Polícia Militar Ambiental pede para que a população denuncie essa prática criminosa. A denúncia preserva a identidade do denunciante e deve ser feita pelo telefone (19) 3790-1420”, disse o capitão Maurício Hirano, comandante da 4 Companhia da Polícia Militar Ambiental.

Fabricar, vender, transportar ou soltar balões é crime previsto na Lei Federal 9.605 de 12 de fevereiro de 1998, cuja pena é de um a três anos de detenção, multa ou ainda ambas as penas.

No último dia 4, um balão de grande porte caiu no pátio da empresa Unilever, no Centro de Valinhos. O artefato foi neutralizado por Agentes da Guarda Ambiental Municipal antes que a chama atingisse um depósito de materiais inflamáveis que fica no local. Já no dia 16 de junho, um balão também aceso caiu no estacionamento do Grupo RAC, que publica o jornal Correio Popular, na Vila Industrial. Uma parte da estrutura ficou próxima a carros e motos. Em ambos os casos, não houve feridos. (Raquel Valli/AAN)