Publicado 07 de Julho de 2016 - 5h30

A Justiça determinou a reintegração de posse de uma área localizada entre o Núcleo Residencial Rosalina, o DIC 5 e o bairro Eldorado dos Carajás, em Campinas, que foi invadida na tarde de segunda-feira. A sentença foi expedida ontem pelo juiz Mauro Iuji Fukumoto da 1 Vara da Fazenda Pública. O terreno é da Prefeitura, e foi invadido por cerca de 100 famílias, que serão notificadas por um oficial de Justiça. Após a notificação elas terão prazo de cinco dias para deixar o terreno, sob pena de reintegração forçada.

“Considerando que se trata de ocupação recente, ainda não consolidada, em área municipal, justifica-se a imediata ordem de reintegração”, afirma Fukumoto na sentença. A reportagem esteve no terreno ontem e encontrou cerca de 150 demarcações com cavaletes de madeira e lona nos locais onde seriam construídas as moradias.

“A gente tá aqui na esperança de ganhar um pedacinho de terra, de um terreninho pra poder morar. Fiz a inscrição na (Companhia de Habitação Popular de Campinas) Cohab, mas tô esperando sair a casinha popular”, afirma a faxineira Milena de Oliveira Jesus, de 21 anos, que paga R$ 600,00 de aluguel em uma casa no bairro Eldorado dos Carajás. Ela estava na ocupação embaixo de uma tenda com os dois filhos, um de 8 meses e outro de 3 anos.

O desempregado Manuel dos Santos, de 54 anos, conta que mora há 35 anos no Jardim Santo Antônio pagando aluguel. “Fiz inscrição na Cohab umas 20 vezes. E na situação que a gente está, com desemprego, falta de trabalho, a gente tem que invadir”. Manuel passa o dia na ocupação, mas vai dormir em casa alugada por R$ 600.

Sehab

A Secretaria de Habitação (Sehab) informa que está concluindo estudos para verificar a viabilidade de implantação de um empreendimento de interesse social na área, o que deve favorecer o processo de regularização fundiária. Informa ainda que já é possível ver moradias improvisadas montadas, mesmo os ocupantes tendo sido informados sobre a ilegalidade.