Publicado 24 de Julho de 2016 - 5h30

A Ponte Preta promete não se iludir com o suposto sono do gigante. Por isso, se cercou de todos os cuidados para fazer uma partida consistente e não tomar qualquer susto diante do Internacional, hoje, às 11h, no Estádio Moisés Lucarelli, pela 16 rodada do Brasileiro.

O clube gaúcho, que somou apenas um ponto nas últimas sete rodadas, atravessa seu pior momento na competição. “O Inter vem ferido, machucado e pressionado, querendo dar uma resposta para o seu torcedor. Temos de olhar como se fosse o Inter, líder de 40 dias atrás, com o ataque mais positivo e uma defesa sólida. Não podemos menosprezar o adversário de maneira alguma”, destaca o técnico Eduardo Baptista.

Para os jogadores, a Ponte não pode se esconder em campo. “Eles virão para vencer de qualquer jeito, mas estamos brigando por posição no alto da tabela. Temos que impor nosso ritmo, independentemente de quem seja o adversário”, comentou Clayson. “Não nos interessa o momento deles. Temos que fazer a nossa parte e pensar na vitória”, completa João Vítor.

Apesar do discurso, a Macaca terá uma postura cautelosa quando a bola começar a rolar. Para isso, o treinador montou um esquema reforçado no sistema defensivo, com dois zagueiros fixos, dois laterais com mais preocupação de marcar do que atacar e um meio recheado de volantes.

Para a imprensa, Eduardo disse que vai esperar a recuperação de Thiago Galhardo até o último momento. “Se ele não estiver 100%, poderá ser opção para o banco. Não vamos fazer loucuras. Se tiver de esperar mais um pouco, a gente espera”, declarou.

Ainda sem poder contar com os atacantes Felipe Azevedo, que segue em tratamento médico, e William Pottker, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o treinador decidiu manter Rhayner como atacante de lado e Roger atuando centralizado. Clayson, que vem melhorando a cada rodada, está mantido pelo lado esquerdo do ataque, com a missão de puxar os contragolpes.

A defesa, que ainda não poderá contar com o lateral Jeferson e o zagueiro Kadu, machucados, terá Nino Paraíba pela direita e Douglar Grolli mantido ao lado de Fábio Ferreira. Reinaldo, que tem sido um dos mais regulares da equipe, segue pela esquerda.

Como Renê Junior e Elton continuam afastados do time por lesões, Wendel e Maycon ganharam espaço no meio de campo, que hoje ganha o retorno de João Vítor, liberado após cumprir suspensão. Assim, o jovem Matheus Jesus volta a ficar como opção no banco de reservas.

Depois do jogo de hoje, a Ponte volta suas atenções para a partida de volta pela Copa do Brasil, quarta-feira, diante do Figueirense, em Campinas.

Objetivo de Roger é aproveitar o momento

Depois de quebrar o jejum pessoal com o gol marcado na derrota por 3 a 1 para o Santos, na rodada passada do Brasileirão, o atacante Roger promete empenho para tirar proveito do momento ruim que o Internacional atravessa. "Não é sempre que se enfrenta um Inter que vem de sete resultados negativos. Tratamos todos os adversários com respeito, mas não é aqui que eles vão se reabilitar", afirma.

Na opinião do jogador, a Macaca tem que fazer valer o mando de campo, onde tem feito a diferença e conseguiu, até aqui, 72% dos pontos possíveis em sete confrontos: cinco vitórias (Palmeiras, Chapecoense, Atlético-PR, São Paulo e Sport) e duas derrotas (Flamengo e Cruzeiro).

"Estamos jogando em casa e precisamos vencer para terminar o primeiro turno muito bem. Tenho certeza que faremos um grande jogo e conseguiremos a reabilitação", comentou o atacante, que foi artilheiro do Paulistão defendendo o Red Bull e ainda não havia marcado em seu retorno ao Majestoso.

Para encarar o gigante gaúcho, Roger conta que não houve mudança na rotina. "Fizemos reuniões e assistimos muitos vídeos durante a semana, mas é sempre assim que fazemos. Foi assim na preparação para o jogo com o Santos, São Paulo e outros times", disse. "Precisamos ter atenção em tudo para não perder o foco", disse o jogador, que será o substituto do suspenso William Pottker. (PS/AAN)

PONTE PRETA

João Carlos; Nino Paraíba, Douglas Grolli, Fábio Ferreira e Reinaldo; João Vitor, Wendell e Maycon; Clayson, Rhayner e Roger. Técnico: Eduardo Baptista.