Publicado 22 de Julho de 2016 - 5h30

A Rússia está definitivamente fora das provas do atletismo dos Jogos Olímpicos no Rio. Ontem, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) negou o recurso apresentado por 68 atletas russos que se diziam "injustiçados" pela suspensão a toda a delegação imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Com a decisão, atletas como Yelena Isinbayeva, uma das principais rivais da campineira Fabiana Murer no salto com vara, ficam impedidas de competir no Brasil sob a bandeira do país.

A decisão também reforça a possibilidade de o Comitê Olímpico Internacional (COI) se inclinar a banir toda a delegação russa em todos os esportes por conta de mais um relatório bombástico divulgado na segunda-feira pela Associação Mundial Antidoping (Wada), que aponta para a participação sistemática do governo russo no esquema de doping. Uma decisão é aguardada para este domingo. O governo de Moscou já admite que a sentença de ontem abre precedente para o fim dos sonhos russos no Brasil.

Como punição, a IAAF anunciou o afastamento dos russos de todas as competições, inclusive o Rio-2016. Apenas uma brecha foi deixada para que atletas pudessem solicitar que seus casos fossem individualmente avaliados. Para um esportista ser aceito, ele terá de provar que se preparou em outro país e esteve sujeito aos controles de doping de fora da Rússia.

Das dezenas de pedidos de revisão, a IAAF aceitou, até agora, apenas dois casos. Um deles, porém, era de Yuliya Stepanova, que revelou o escândalo de doping e que se mudou para a Alemanha. Ainda assim, ela irá competir sob "bandeira neutra".

A decisão da CAS foi tomada ontem de forma unânime pelos juízes. Se a decisão já seria um golpe duro contra os russos, analistas apontam que o veredicto da corte pode abrir caminho para uma suspensão ainda maior. A Wada pediu que o COI impeça que todos os atletas russos estejam no Rio, depois que um informe nesta semana revelou que mais de 20 modalidades esportivas foram afetadas por um esquema doping com a participação direta do governo.

Pressionado, o COI anunciou que iria avaliar a questão. Mas que primeiro iria aguardar para ver qual seria a decisão da CAS relativa ao atletismo. (EC)

Isinbayeva classifica veto de ‘funeral para o esporte’

A bicampeã olímpica do salto com vara, Yelena Isinbayeva, ficou indignada com a decisão da CAS. Nas redes sociais, se pronunciou em tom de deboche, além de classificar o veto como um "funeral" para o esporte, apesar de a punição ter acontecido após a comprovação de que houve doping sistemático envolvendo atletas do país, sendo que o mesmo ocorreu com apoio e acobertamento do próprio governo russo.

"Obrigada a todos por terem enterrado o atletismo. Isso é puramente político", criticou. "Todos esses atletas estrangeiros 'amigos' exalar o alívio em ganhar suas medalhas, pseudo ouros, na nossa ausência." (EC)