Publicado 12 de Julho de 2016 - 5h30

A vitória da Ponte Preta por 2 a 1 sobre o Sport, no último sábado, teve um sabor especial para Antônio Carlos. Além do bom momento do time, que não perde há quatro jogos e colou no G4 do Campeonato Brasileiro, o zagueiro também comemorou uma conquista pessoal. Foi a primeira vez em 2016 que ele teve a oportunidade de atuar em uma partida oficial.

O último jogo havia sido em 6 de dezembro do ano passado, quando ainda defendia o Avaí. Na atual temporada, não recebeu oportunidades no Flamengo e precisou esperar sua vez com a camisa da Ponte. Ela finalmente apareceu no sábado, com a lesão de Kadu e a suspensão de Fábio Ferreira.

Depois dos 90 minutos, a sensação foi uma só. “Terminei o ano passado atuando e depois fiquei seis meses sem jogar. Agora, estou muito feliz, pude abraçar minha filha e minha esposa com a sensação de dever cumprido”, revela o defensor, que comentou o momento complicado dos últimos meses. “Foi difícil porque o jogador quer sempre estar em campo. Esse era meu pensamento, continuei batalhando e, quando surgiu a oportunidade, aproveitei.”

O ponto alto da atuação de Antônio Carlos aconteceu aos 42’ do primeiro tempo, quando o placar apontava 1 a 1. Rogério aproveitou chute rasteiro e bateu cruzado, mas o zagueiro da Macaca apareceu, praticamente em cima da linha, para evitar o segundo do Sport. O que, para ele, teve um peso enorme. “Conseguir tirar aquela bola foi como um gol para mim”, afirma o defensor.

O objetivo agora é tentar emplacar uma sequência e garantir um lugar no time. “Isso fica por conta do Eduardo (Baptista, treinador da Macaca)”, comenta Antônio Carlos. “Não estou aqui para dividir o grupo, quero ajudar, mas espero ter deixado uma dúvida na cabeça do treinador.” (Carlos Rodrigues/Da Agência Anhanguera)