Publicado 25 de Julho de 2016 - 22h21

Por Milene Moreto

O PMDB oficializou nesta segunda-feira (25) o apoio à coligação do prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB). A decisão ainda não foi ratificada na convenção do partido, mas coloca fim a uma polêmica após a entrada de líderes estaduais na jogada, que tentaram costurar um apoio à candidatura de Artur Orsi (PSD). Numa intensa discussão na última semana, os integrantes do diretório conseguiram convencer as lideranças a manter o compromisso com a chapa do PSB, o que não foi fácil.

Ponte para o futuro

Num comunicado sobre a oficialização do apoio a Jonas, o presidente interino do PMDB, Arnaldo Salvetti, diz que “o prefeito cumpriu seus compromissos” e que também vai considerar as propostas discutidas pelos peemdebistas que serviram de base para a construção do programa “Uma ponte para o futuro de Campinas”. Ele deixa claro que com Michel Temer na Presidência o partido poderá contribuir com o governo, caso Jonas seja reeleito. 

FRASE

"Não podemos mais aceitar esse tipo de comportamento da PM paulista, uma corporação violenta, que não respeita a liberdade de manifestação, agride, atira e mata cidadãos que deveria proteger." - Da deputada federal Ana Perugini (PT-SP), ao comentar a prisão do ex-senador Eduardo Suplicy.

Feliz da vida

Quem ficou contente mesmo com a definição do PMDB foi Salvetti. O secretário de Trabalho e Renda passou dias difíceis quando as lideranças estaduais resolveram interferir no processo em Campinas. A decisão, no entanto, ainda passará por aprovação na convenção marcada para o próximo sábado (30).

Costura

Até agora, as convenções foram favoráveis ao projeto de reeleição de Jonas, que abocanhou o apoio da maioria e está a frente quando o assunto é o tempo de propaganda na televisão.

PSL

O PSL em Campinas, comandado por André Ribeiro, filho do vereador Edison Ribeiro, fez no último sábado (23) sua convenção para também definir o apoio ao PSB na majoritária. A sigla lançará chapa pura para vereador. Ribeiro está confiante no crescimento da legenda, que tem apenas seu pai como representante no Legislativo.

Não deu

O deputado estadual Feliciano Nahimy Filho (PSC), que tinha a ideia de lançar sua candidatura a prefeito, também decidiu seguir com Jonas. Oficialmente, Feliciano afirmou que seu projeto na Assembleia Legislativa engloba todo o Estado de São Paulo e que ingressar na disputa em Campinas seria colocar em risco suas principais bandeiras e seu trabalho voltado para a defesa da causa animal.

Suplicy

A prisão do ex-senador Eduardo Suplicy nesta segunda-feira durante uma reintegração de posse em São Paulo deu o que falar, foi comentada por diversos político e dominou as redes sociais. Ele foi carregado por policiais militares ao tentar impedir a retirada de 350 famílias de uma área na Zona Oeste da Capital. Muitos disseram que prenderam o “Eduardo” errado, enquanto petistas reclamaram da truculência da polícia.

Tumultuou

Em nota, o Governo do Estado informou que Suplicy tentou tumultuar o cumprimento de uma ordem judicial. 

Moura e Pavan

Tem quem diga que mesmo que o prefeito de Paulínia, José Pavan Júnior (PSDB), não consiga o registro de sua candidatura para a reeleição, ele trabalha com um plano B que prefere manter em segredo entre seus aliados para que seu nome não seja desconsiderado neste momento. Sem poder disputar, Edson Moura (PMDB), por sua vez, tem seus favoritos para “apadrinhar” neste pleito. Se os dois de fato não estiverem oficialmente na disputa, dificilmente a dupla deixará de dar as cartas na política da cidade, como ocorre há anos.

Escrito por:

Milene Moreto