Publicado 12 de Julho de 2016 - 22h53

Por Milene Moreto

Os deputados federais passaram esta terça-feira (12) articulando os favoritos para a eleição do presidente da Câmara e tentando ganhar apoio. Até agora os nomes de Rogério Rosso (PSD-DF), Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Marcelo Castro (PMDB-PI) estão entre os que se destacam. Porém, tudo pode mudar até o último segundo. A eleição está marcada para hoje, às 16h. Se nenhum concorrente conseguir 257 votos, o segundo turno foi marcado para 1 hora após a primeira votação.

Espaço

O PT tem a segunda maior bancada na Câmara e seu apoio é disputado no processo de escolha do novo presidente. A entrada na disputa de Marcelo Castro (PMDB-PI), ex-ministro do governo Dilma, pode enfraquecer Rosso e dar fôlego à oposição. Castro, que tem apoio do PT e de parte do PMDB, não seguiu as orientações do seu partido no processo de impeachment da presidente. Rosso, por sua vez, é o homem de Eduardo Cunha. 

FRASE

"O PMDB tem vivido nos últimos tempos momentos de divisões e contradições e isso é uma página virada na nossa história. O PMDB está unido." - Do deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI) sobre sua candidatura à presidência da Casa.

Explicações

Os tucanos terão nesta quarta-feira (13) uma reunião do diretório para definir a data da convenção. Antes de publicarem a ata e de consolidarem a aliança com o governo do prefeito Jonas Donizette (PSB), eles receberão uma “palestra” do prefeito. O peessebista fará um balanço de seu mandato e também sobre seus projetos, caso seja reeleito em outubro. O encontro foi marcado para as 19h, na sede do partido, no Taquaral.

Aliados

Os tucanos são os maiores aliados de Jonas e, pelo apoio em 2012, tiveram o direito de ocupar postos estratégicos no governo. Na época, o prefeito tinha oito aliados no primeiro turno. Agora, com uma previsão de coligação de ao menos 20 partidos, o PSDB quer garantias de que continuará “nadando de braçada” na gestão caso o grupo obtenha a vitória nas urnas.

Mas...

É pouco provável que, caso Jonas seja reeleito, consiga acomodar da mesma forma todos os partidos. Principalmente pela entrada do PMDB no bloco principal. Talvez seja o partido do próprio prefeito o mais afetado com uma possível nova distribuição de cargos. Muita gente anda de olho em vagas que hoje são do PSB.

No metrô

O secretário de Trabalho e Renda de Campinas, Arnaldo Salvetti, esteve na Capital e parece que gostou de andar de metrô. Ao lado do presidente do PMDB, Fernando Garnero, o secretário fez fotos dentro do trem e disse que os campineiros mereciam um sistema como o de São Paulo, que dá mais conforto aos trabalhadores. Se anda difícil tirar o BRT do papel, imagine um trem.

Crise

A crise atingiu mesmo os candidatos este ano. A Justiça Eleitoral registrou queda no número de pesquisas. Até o momento, houve 795 registros, uma redução de 21,5% na comparação com o mesmo período das eleições de 2012, quando os tribunais receberam 1.013 registros. O dinheiro anda curto e pesquisas não são baratas.

Listão

A Prefeitura de Campinas publicou no Diário Oficial do Município a lista final dos servidores que pediram licença remunerada de três meses para disputar as eleições de outubro. Ao todo são 42 nomes que ficarão afastados da Administração de 1º de julho até a data do pleito. Durante o período eles continuam recebendo seus salários normalmente, mas deverão apresentar o comprovante do registro da candidatura fornecido pela Justiça Eleitoral. Caso contrário a licença será cancelada e os dias afastados serão considerados de falta ao serviço.

COLABOROU BRUNO BACCHETTI/AAN

Escrito por:

Milene Moreto