Publicado 23 de Julho de 2016 - 17h38

Por Adriana Leite

Santos, presidente da Desenvolve SP: de acordo com ele, as startups, que buscaram recursos para projetos inovadores, e as indústrias de perfil tecnológico tiveram um papel relevante nos desembolsos destinados a Campinas e região

Divulgação

Santos, presidente da Desenvolve SP: de acordo com ele, as startups, que buscaram recursos para projetos inovadores, e as indústrias de perfil tecnológico tiveram um papel relevante nos desembolsos destinados a Campinas e região

Em meio a tantos números ruins no primeiro semestre deste ano, ao menos um dado traz alento para a economia da região de Campinas: o volume de financiamentos realizados pela Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista) para empresas e prefeituras aumentou 61,12%.

Os empréstimos somaram R$ 11,5 milhões de janeiro a junho de 2016 - no ano passado, no mesmo período, o valor foi de R$ 7,13 milhões.

Os desembolsos para as indústrias da região somaram R$ 3,32 milhões e subiram 165,21% em relação ao R$ 1,25 milhão de 2015. E os resultados do comércio foram ainda mais significativos, passando de R$ 120 mil para R$ 931,89 mil, uma alta de 676,51%.

Uma novidade neste semestre foi a busca de recursos para investir em inovação. O órgão registrou um total de R$ 1,39 milhão para projetos inovadores. O volume representou 12% dos R$ 11,5 milhões.

Os dados da Desenvolve SP mostram que as empresas de serviços emprestaram R$ 591 mil no primeiro semestre e as prefeituras da região um total de R$ 6,65 milhões. O cenário aponta a busca dos empresários por linhas de crédito mais acessíveis e também um fôlego de segmentos que encontram na exportação de produtos uma forma de driblar a crise econômica.

O presidente da Desenvolve SP, Milton Luiz de Melo Santos, afirma que as empresas de base tecnológica e as indústrias puxaram os desembolsos neste ano na região. “As startups buscam por recursos para projetos inovadores. As indústrias também tiveram um papel relevante nos desembolsos na região de Campinas. O dólar mais favorável alavancou as exportações de alguns segmentos e as empresas passaram a investir mais”, diz.

Santos comenta que as linhas de crédito com prazos mais longos e taxas menores são atrativos para que as empresas busquem por recursos na agência de fomento. “Os desembolsos são para projetos produtivos. Não fazemos financiamentos para consumo”, ressalta. Ele diz que o órgão trabalha com linhas cujos juros variam de 6,5% a 9,5% ao ano e pagamento que chega a dez anos. “Temos linhas diferenciadas em relação ao mercado tradicional. Os bancos oferecem linhas mais focadas em capital de giro”, observa.

Santos afirma que, apesar dos bons números da região de Campinas, a economia sentiu o impacto da recessão. Ele acredita em uma melhora no ânimo dos empresários e nos números da economia depois do desfecho do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

“A tendência é de retomada da confiança. Os empresários só passarão a investir quando sentirem confiança na economia e em políticas que estimulem o crescimento”, analisa.

Facilidade

Em março deste ano, a Phi Innovations, instalada em Campinas, conseguiu um financiamento de R$ 350 mil para a elaboração de um projeto de um controlador de motor para uso em equipamentos médicos e odontológicos.

“Decidimos utilizar o crédito da Desenvolve SP porque é a linha que possui as taxas mais interessantes. A carência de dois anos ajuda a viabilizar a comercialização e implantação do produto antes mesmo de começar o pagamento”, diz o diretor da empresa, Flávio de Castro Alves Filho.

SAIBA MAIS

Indústria - R$ 3.321.345,45

Prefeituras - R$ 6.656.192,86

Serviços - R$ 591.042,69

Comércio - R$ 931.819,23

Total: R$ 11.500.400,23

DESEMBOLSOS POR CIDADE

Campinas

R$ 1.398.175,46

Holambra

R$ 124.686,46

Hortolândia

R$ 1.224.574,51

Indaiatuba

R$ 6.776.192,86

Itatiba

R$ 1.567.459,10

Santa Barbara D’Oeste

R$ 409.311,84

Fonte: Desenvolve SP

Escrito por:

Adriana Leite